Ambos com mais de 50 anos, Mike Tyson e Roy Jones Jr. empatam em volta ao ringue

Luta de exibição entre duas lendas do boxe - Mike Tyson, aos 54 anos, e Roy Jones Jr., com 51 - terminou empatada em Los Angeles

Por Frank Pingue, da Reuters
29 de novembro de 2020 às 04:00 | Atualizado 29 de novembro de 2020 às 04:16
Mike Tyson e Roy Jones Jr. antes de luta entre os dois
Mike Tyson e Roy Jones Jr. antes de luta entre os dois
Foto: Instagram/ Legends Only League/ Reprodução


Mike Tyson mostrou que a idade não lhe roubou o poder e o o ex-campeão dos pesos pesados, em seu tão esperado retorno aos ringues, dominou Roy Jones Jr. em uma luta de exibição neste sábado (28) em Los Angeles.

O combate, porém, surpreendentemente empatou.

Leia também:
Mike Tyson amplia sua fortuna vendendo maconha e quer construir paraíso da erva

Mike Tyson come orelha de bolo com formato da cabeça de Roy Jones Jr.

Por que Mike Tyson vai votar pela primeira vez em 2020

Embora não houvesse juízes ao lado do ringue para pontuar a competição de oito rounds entre dois dos maiores nomes de todos os tempos do boxe, ambos com mais de 50 anos, e nenhum vencedor oficial, o Conselho Mundial de Boxe formou um conjunto de juízes que pontuaram remotamente a luta.

"Estou acostumado a fazer isso por três minutos", disse Tyson, de 54 anos, sobre os rouns mais curtos. "Às vezes, aqueles dois minutos pareciam três minutos. Estou feliz por ter agora isso no meu currículo para continuar fazendo isso e ir mais longe."

Tyson, 15 anos depois de sua derrota para o irlandês Kevin McBride na última luta profissional de sua carreira, saiu disparando golpes no adversário e controlou a luta durante todo o tempo.

Jones Jr, 51, era o mais visivelmente cansado dos dois lutadores, mas conseguiu aumentar o ritmo nos últimos rouns o suficiente para vencer um e empatar o outro, enquanto Tyson vencia o terceiro round.

Quando o sino final tocou, os dois lutadores se abraçaram.

Depois da luta, Tyson, que já foi o lutador mais temido do planeta, desmentiu qualquer ideia de voltar ao boxe profissional.

"Isso é maior do que lutar e vencer o campeonato", disse Tyson sobre as exposições em que doa seus ganhos para instituições de caridade. "Somos humanitários e ajudamos as pessoas." (Reportagem de Frank Pingue em Toronto; Edição de Himani Sarkar)