Delegada intima Mano Menezes, Ramirez e árbitro pra depor em caso de racismo

Gerson acusa o jogador colombiano Índio Ramirez de ter dito “cala a boca, negro” durante uma discussão em campo.

Pedro Duran, da CNN Brasil, no Rio de Janeiro
21 de dezembro de 2020 às 16:10 | Atualizado 21 de dezembro de 2020 às 16:44

 

Depois de instaurar inquérito para investigar a denúncia de injúria racial contra o jogador Gerson, do Flamengo, a delegada Márcia Noeli, decidiu intimar o jogador Juan Pablo Ramirez, o ex-técnico do Bahia, Mano Menezes, e o árbitro da partida Flávio Rodrigues de Souza.

A delegada também vai buscar vídeos e áudios do momento da suposta injúria pra entender melhor o contexto e as palavras exatas durante as discussões em campo. “Vamos ver se o áudio está claro e se da pra perceber o que ele está falando”, disse a delegada. Ela espera imagens do próprio Flamengo.

Leia e assista também:

Caso Gerson: injúria racial em jogo do Campeonato Brasileiro vai parar no STJD
Bahia afasta meia Ramírez para que seja apurada acusação de racismo
Bahia demite Mano Menezes; clube vai investigar acusação de racismo por Ramírez

De acordo com Gerson, o ex-técnico do Bahia, Mano Menezes, se referiu ao ocorrido como "malandragem"
Foto: Agência Estado


Gerson acusa o jogador colombiano de ter dito “cala a boca, negro” durante uma discussão em campo. E diz que Menezes teria se referido à reação dele ao ato de racismo como “malandragem”.

Justamente por isso, Mano tambem será ouvido pela Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância, a Decradi, da Polícia Civil do Rio de Janeiro. Os depoimentos serão presenciais.

Gerson será o primeiro a ser ouvido, na manhã desta terça-feira (21/12). A partir da fala dele, outras pessoas podem ser convocadas a depor. O crime de injúria racial prevê pena de um a três anos de prisão.