Apesar da rivalidade, Maradona já vestiu camisa da seleção brasileira; relembre

Foi durante a Copa de 2006, na Alemanha, quando ele estrelou, ao lado de Kaká e Ronaldo, uma propaganda de refrigerante

Leonardo Lellis, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

 

Apesar da rivalidade entre brasileiros e argentinos no futebol, o ídolo Diego Maradona, morto nesta quarta-feira (25), já vestiu a camisa da seleção brasileira. Foi durante a Copa de 2006, na Alemanha, quando ele estrelou, ao lado de Kaká e Ronaldo, uma propaganda de refrigerante.

Maradona aparece perfilado ao lado dos craques brasileiros cantando o hino nacional. “Caramba, que pesadelo! Acho que estou bebendo muito Guaraná Antarctica”, diz, ao despertar vestindo a camisa da seleção argentina. Diante da polêmica na época, ele disse não ter qualquer arrependimento pela participação na propaganda.

Esta não foi, entretanto, a primeira vez que o craque argentino havia vestido a amarelinha: após eliminar o Brasil na Copa de 1990, na Itália, Maradona comemorou com a camisa de Careca, seu companheiro no Nápoli na época. Ele também relembra ter colocado a camisa do Brasil em 1979, durnate o Sul-Americano que classificou a Argentina para o Mundial sub-20 do Japão.

Leia e assista também

Morre aos 60 anos Diego Maradona, o símbolo maior do futebol argentino

Pelé: ‘Certamente, um dia vamos bater uma bola juntos lá no céu’

‘Dos jogadores que vi em campo, ele foi o melhor’, diz Romário; leia repercussão

Maradona também já vestiu a camisa de outro país que viria a se tornar um dos grandes rivais da seleção argentina: a Inglaterra. Em 1980, no estádio Wembley, após a derrota para os donos da casa, o argentino trocou a camisa com a capitão Kevin Keegan.

A rivalidade entre os dois países romperia as barreiras do futebol dois anos mais tarde, com a Guerra das Malvinas, vencida pela ingleses, e ficaria ainda mais acentuada dentro de campo quando a argentina eliminou os ingleses, na Copa de 1986, disputada no México.

Naquele jogo, Maradona anotou os dois gols: o primeiro foi o icônico gol da “mão de Deus”, em que saltou junto com o goleiro inglês; no segundo, driblou metade do time adversário antes de concluir. Com atuação histórica de seu maior ídolo durante toda competição, a Argentina sagrou-se bicampeã mundial na Copa do México.

 

Mais Recentes da CNN