Atleta paralímpica rebate após oficial dizer que sua roupa de competição é curta

Campeã mundial paralímpica Olivia Breen questionou fala e disse que crítica atrapalha desempenho de atletas femininas

Foto: Olivia Breen compete durante a final do salto em distância feminino do Muller British Athletics Championships em Manchester, Inglaterra/ Ashley Allen / Getty Images

Toyin Owoseje, CNN

Ouvir notícia

A dupla campeã mundial paralímpica Olivia Breen disse que ficou “sem palavras” depois que uma oficial do Campeonato Inglês de Atletismo disse a ela que suas roupas de competição eram “muito curtas e inadequadas”.

A jovem de 24 anos detalhou o incidente em um post no Twitter no domingo (18), dizendo que, embora fosse grata aos voluntários que atuam nas competições, as mulheres não deveriam se sentir constrangidas durante a competição.

“Sempre sou grata pelos incríveis voluntários que atuam em eventos de atletismo”, disse Breen a seus 10.200 seguidores. “Eles fazem um trabalho incrível e nos possibilitam competir.”

Em uma entrevista à CNN na segunda-feira, Breen disse que o comentário doeu mais por ter vindo de outra mulher.

“Você não tem o direito de dizer o que posso ou não posso vestir”, disse Breen, acrescentando que foi a público para aumentar a conscientização.

O England Athletics entrou em contato com ela, segundo a atleta, e ela está planejando fazer um acordo oficial.

“Eles (o Atletismo da Inglaterra) deram muito apoio, o que é muito bom”, disse ela.

‘Arruinar a confiança’

A vestimenta em questão era o uniforme de atletismo de 2021 da Adidas, disse Breen ao Guardian.

De acordo com a estrela galesa – que ganhou uma medalha de ouro no IPC World Championship 2017 no salto em distância T38 e levou o ouro por estabelecer um recorde mundial no revezamento de 100 metros de velocidade T35-38 na mesma competição em 2015 – o biquini é projetado especificamente para competições e ela tem usado outros semelhantes por muitos anos sem ouvir reclamações.

Breen, que tem paralisia cerebral, representará o Reino Unido nas Paraolimpíadas de Tóquio no próximo mês. Ela disse em sua postagem que “espera” usar a mesma vestimenta de corrida em Tóquio.

“Quando você está competindo, você quer se sentir o mais leve possível para ter um desempenho melhor”, disse Breen à CNN, explicando que prefere o biquini curto porque a fazem se sentir “mais livre”.

A atleta paraolímpica disse que comentários como os da oficial no domingo podem “arruinar a confiança e a autoestima” das atletas femininas mais jovens.

“Para mim, isso me deixou com raiva. Se eu tivesse 16 anos ou algo assim, iria me fazer chorar”, disse Breen, que acredita que os oficiais precisam receber uma orientação melhor sobre como usar uma linguagem apropriada ao lidar com os atletas paraolímpicos.

“Eles precisam nos tratar com respeito e não nos fazer sentir um lixo.”

Duplo padrão

A atleta – que também ganhou uma medalha de bronze nas Paraolimpíadas de Londres 2012 – chamou a atenção para o aparente duplo padrão em sua postagem no Twitter, dizendo que a experiência “me fez questionar se um competidor masculino seria criticado da mesma forma. Espero que nenhuma outra atleta feminina sofra algo semelhante. “

“Eu reconheço que é necessário haver regulamentos e diretrizes em relação ao kit de competição, mas as mulheres não devem se sentir constrangidas sobre o que vestem durante a competição, devem se sentir confortáveis ??e à vontade”, acrescentou ela.

A edição 2020-2022 das “Regras de Competição” dos Atletas do Reino Unido (UKA) de 2020-2022 afirma que “Em todos os eventos, os atletas devem usar roupas limpas, projetadas e usadas de forma a não serem questionáveis.”

As diretrizes também dizem que as roupas “devem ser feitas de um material não transparente mesmo se molhado” e que os atletas “não devem usar roupas que possam impedir a visão dos juízes”.

Outra atleta britânica, a lançadora de peso Amelia Strickler, respondeu ao post de Breen dizendo que comentários como os feitos pela oficial de domingo contribuíram para a pressão que as atletas femininas já enfrentam.

“As atletas femininas não deveriam ser submetidas a tais críticas quando já existe tanta pressão sobre as mulheres para serem ‘perfeitas’”, escreveu Strickler no Twitter.

“Estamos lá para competir. Você não gosta das roupas? Guarde para você. Não precisamos de oficiais adicionando estresse desnecessário nesses momentos.”

A Adidas descreveu Breen como uma “inspiração dentro e fora da pista”.

“É decepcionante vê-la julgada por qualquer coisa, exceto seu desempenho atlético. Apoiamos totalmente seus comentários e esperamos que eles sejam levados adiante pelos organizadores do evento”, disse um porta-voz da Adidas em comunicado enviado à CNN.

A CNN entrou em contato com o England Athletics para ter uma resposta. 

(Texto traduzido. Leia aqui o original em inglês.)

Mais Recentes da CNN