Atletas olímpicos australianos passam por ‘quarentena dupla’ na volta pra casa

Esportistas do estado da Austrália do Sul serão obrigados a permanecer em isolamento por 28 dias, o dobro do período comum de quarentena

Atletas olímpicos australianos durante a Cerimônia de Abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio
Atletas olímpicos australianos durante a Cerimônia de Abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio Foto: Clive Brunskill/Getty Images

Chandler Thornton, Ben Westcott e Angus Watson, da CNN

Ouvir notícia

Atletas olímpicos australianos serão forçados a passar por uma quarentena dupla de 28 dias após o retorno de Tóquio para o estado da Austrália do Sul. A obrigatoriedade foi descrita como “cruel e indiferente” pelo Comitê Olímpico do país.

Atualmente, os atletas estão em quarentena por duas semanas em Sydney, como parte das regras de viagens do país. No entanto, aqueles que seguirem viagem para seu estado natal, Austrália do Sul, terão que cumprir as restrições às viagens interestaduais e completar duas semanas extras de quarentena na capital da Austrália do Sul, Adelaide.

Em um comunicado na quarta-feira (11), o Comitê Olímpico Australiano (AOC, na sigla em inglês) condenou a quarentena de quatro semanas para os atletas da equipe.

“Enquanto outros países comemoram o retorno de seus atletas, estamos submetendo os nossos ao tratamento mais cruel e indiferente. Eles estão sendo punidos por representarem orgulhosamente seu país com distinção nos Jogos Olímpicos“, disse o CEO da AOC, Matt Carroll, em comunicado.

A equipe olímpica da Austrália tem 56 membros que retornarão à Austrália do Sul, sendo que 16 deles estão atualmente em quarentena em Sydney, de acordo com o AOC. Todos os atletas do país estão totalmente vacinados.

“Eles também vivem em uma bolha altamente controlada em Tóquio, tomando as precauções máximas – testados diariamente durante muitas semanas”, disse o AOC em seu comunicado.

O primeiro-ministro estadual da Austrália do Sul, Steven Marshall, disse em uma entrevista coletiva nesta quinta-feira (12) que foi uma “decisão difícil” impor a quarentena adicional.

“Mas temos que tomar decisões difíceis para proteger a Austrália do Sul. Quando olhamos de forma interestadual, vemos condições devastadoras afetando vidas. Na Austrália do Sul, tivemos nosso próprio lockdown por sete dias. Sabemos os efeitos disso”, disse Marshall.

A Austrália enfrenta um desafio atualmente para controlar um surto da variante Delta, que causou longas restrições de circulação nos principais centros populacionais de Sydney e Melbourne. O estado de Nova Gales do Sul, onde Sydney está localizada, registrou 345 novos casos de Covid-19 nesta quinta-feira, enquanto a capital australiana, Canberra, anunciou um lockdown de uma semana depois que uma infecção por Covid-19 foi detectada na cidade.

O primeiro-ministro da Austrália do Sul, Marshall, disse que o Comitê Olímpico Australiano (AOC) não conseguiu estabelecer um “corredor estéril” no caminho de volta ao estado para o retorno dos atletas.

“Então, em outras palavras, eles estariam indo para o aeroporto, entrariam em um avião com pessoas que, é claro, teriam que entrar em quarentena por 14 dias”, disse Marshall. O primeiro-ministro da Austrália do Sul disse que seu governo estava estudando a possibilidade de permitir que os atletas ficassem em quarentena em casa pelo segundo conjunto de 14 dias.

O AOC afirmou que a quarentena “representa um risco significativo para a saúde mental” dos atletas.
“Ter indivíduos em quarentena por um período de tempo tão longo é, em minha opinião, irracional e não pode ser cientificamente justificado. Isso representa um risco significativo para o bem-estar físico e mental dos indivíduos em questão”, disse David Hughes, diretor médico do Australia Institute of Sport.

A equipe australiana ficou em sexto lugar no quadro de medalhas de Tóquio, conquistando um total de 46 medalhas: 17 de ouro, sete de prata e 22 de bronze.

Texto traduzido, leia o original em inglês.

Mais Recentes da CNN