Chefes de Mercedes e Red Bull ficaram em paz em reunião da F1, diz presidente da FIA

Toto Wolff e Christian Horner trocaram acusações após decisão da temporada de 2021 da Fórmula 1, que terminou com o título de Max Verstappen

Chefe da equipe Mercedes, Toto Wolff, durante Grande Prêmio da Arábia Saudita
Chefe da equipe Mercedes, Toto Wolff, durante Grande Prêmio da Arábia Saudita Foto: Pool via REUTERS/Andrej Isakovic

da Reuters

Ouvir notícia

O chefe da equipe Mercedes, Toto Wolff, e o rival da Red Bull, Christian Horner, estavam em harmonia um com o outro na reunião da Comissão de Fórmula 1 na última segunda-feira (14), de acordo com o que disse o recém-eleito presidente da FIA, Mohammed Ben Sulayem, à Sky Sports F1.

A dupla se envolveu em uma crescente batalha de declarações fora da pista na última temporada, em meio à disputa entre seus pilotos Lewis Hamilton e Max Verstappen.

O confronto direto emocionante entre os dois pilotos culminou em um controverso final de temporada em Abu Dhabi, onde uma questionável chamada de safety car no final da corrida decidiu o título a favor do holandês, com a Mercedes protestando sem sucesso contra os resultados antes de decidir não ir adiante com uma apelação.

Mas, apesar da amargura do ano passado, a paz reinou entre Wolff e Horner na reunião de segunda-feira, de acordo com Ben Sulayem.

“Eles estavam em linha”, disse o ex-piloto de rali dos Emirados Árabes Unidos que em dezembro foi eleito o primeiro presidente não europeu da FIA à Sky Sports F1.

“Acho que é por causa do Dia dos Namorados”, brincou.

“Eles estavam próximos um do outro e estavam de bom humor, então isso foi bom. Eu esperava mais entretenimento, mas foi bom ver a harmonia entre eles.”

A reunião da Comissão de F1, que inclui todas as dez equipes, a FIA e a FOM, detentora dos direitos comerciais da categoria, aprovou várias mudanças para a temporada de 2022, incluindo um plano para reduzir o número de Grandes Prêmios que contarão com corridas sprint para três, em comparação às seis originalmente planejadas.

Mais Recentes da CNN