Chineses criticam política do filho único após ouro de nadadora sino-canadense

Nascida no país asiático e adotada ainda bebê por família canadense, Margaret MacNeil venceu prova dos 100m borboleta nas Olimpíadas de 2020

Margaret MacNeil comemora, ainda na piscina, vitória nos 100m borboleta em Tóquio
Margaret MacNeil comemora, ainda na piscina, vitória nos 100m borboleta em Tóquio Foto: Frank Gunn - 26.jul.2021/The Canadian Press via AP

Nectar Gan e Steve George, da CNN

Ouvir notícia

Uma nadadora canadense que ganhou a medalha de ouro nas Olimpíadas de 2020 chamou atenção na China por ter nascido no país asiático, causando discussões acaloradas sobre a política de filho único e discriminação de gênero.

Margaret MacNeil alcançou fama internacional na segunda-feira (26) depois de vencer os 100m borboleta feminino em Tóquio, estabelecendo um recorde continental das Américas em sua primeira participação nos Jogos.

Na China, no entanto, a jovem de 21 anos chamou muita atenção quando se espalhou a notícia de que a garota canadense que venceu a melhor nadadora chinesa, Zhang Yufei, por 0,05 segundos, na verdade, nasceu na China e foi adotada ainda bebê por um casal canadense.

O assunto MacNeil logo ganhou destaque nas redes sociais chinesas. Uma hashtag sobre sua vitória se tornou o principal tópico de tendência no site de microblog chinês Weibo na manhã de segunda e, desde então, atraiu quase 400 milhões de visualizações.

Grande parte da atenção se concentrou em sua origem chinesa – e nas reflexões sobre as circunstâncias sociais e políticas mais amplas que levaram à sua adoção por uma família estrangeira.

MacNeil nasceu em 2000 em Jiujiang, uma cidade na costa sul do rio Yangtze, na província chinesa de Jiangxi, de acordo com seu perfil no site oficial do Time Canadá.

Nas redes sociais chinesas, muitos suspeitaram que ela havia sido abandonada por seus pais biológicos, uma prática outrora comum sob a agora rejeitada política chinesa de filho único.

A política, em vigor de forma rigorosa até 2016, fez com que crianças do sexo feminino fossem abortadas, abandonadas e até mortas devido à preferência tradicional por meninos entre muitas famílias chinesas. Isso deixou o país com uma proporção de sexos profundamente distorcida e um excedente de mais de 30 milhões de homens.

Margaret MacNeil, do Canadá, venceu o ouro olímpico nos 100 metros borboleta
Margaret MacNeil, do Canadá, venceu o ouro olímpico nos 100 metros borboleta feminino nesta segunda-feira (26) (26/07/2021)
Foto: Matthias Schrader/AP

Preocupado com a queda nas taxas de natalidade, o governo chinês permitiu que todos os casais tivessem dois filhos em 2016. Este ano, relaxou ainda mais a política para permitir até três filhos.

Mas para muitos internautas chineses, especialmente mulheres, a vitória de MacNeil serviu como um lembrete vívido do legado pernicioso da política de décadas e da desigualdade de gênero ainda generalizada.

De acordo com o governo dos EUA, mais de 84% das mais de 82.000 crianças americanas adotadas na China entre 1999 e 2019 são meninas.

Embora alguns artigos e postagens online tenham retratado a linhagem chinesa de MacNeil como um caso de orgulho nacional para a China, muitos foram rápidos em apontar que o país deveria, em vez disso, fazer reflexões.

“Perdemos esse talento devido à preferência de meninos (ao invés de meninas), como você ainda tem a coragem de mencionar (suas origens chinesas)”, comentou um internauta.

Outros lamentaram a discriminação contra as meninas em sua educação, especialmente na China rural.

“Ela poderia não ser um talento se tivesse sido criada na China. Em vez disso, pode ter abandonado a escola mais cedo para trabalhar nas fábricas”, disse outro comentário.

Uma postagem viral do Weibo, que dizia: “O Canadá descobriu uma joia preciosa” e pedia que pessoas ajudassem MacNeil a encontrar seus pais biológicos, foi recebida com fortes críticas.

“São os canadenses que a transformaram em uma joia preciosa”, disse a principal resposta abaixo da publicação original.

Depois da prova na segunda-feira, Zhang, a nadadora chinesa que levou a prata, disse que se sentia muito próxima de MacNeil. “Sinto que ela é um membro da família”, disse Zhang, segundo a Reuters.

Enquanto isso, MacNeil enfatizou que ela é canadense e “sempre cresceu como canadense”.

“Eu nasci na China e fui adotado quando era muito jovem, então isso é o máximo sobre minha herança chinesa”, disse MacNeil em entrevista coletiva.

“Portanto, é apenas uma pequena parte da minha jornada até onde estou hoje, e é um pouco irrelevante quando se trata de nadar e o quão longe minha natação chegou.”

(Texto traduzido; leia o original em inglês)

Mais Recentes da CNN