Evolução em pistas e calçados gera debate sobre credibilidade de novos recordes

Para especialista ouvido pela CNN, atletas podem estar entrando em uma 'barganha faustiana' ao usarem tecnologias para melhorar a performance

Pista de atletismo em Tóquio foi elogiada pelos competidores
Pista de atletismo em Tóquio foi elogiada pelos competidores Foto: Morry Gash/AP

Jack Guy, da CNN

Ouvir notícia

Uma pista rápida e novos avanços no design de tênis de corrida podem ter ajudado nos vários recordes quebrados nas Olimpíadas de Tóquio, mas um importante cientista esportivo alertou os atletas que eles poderiam estar entrando em uma “barganha faustiana”.

Entre os que quebraram o recorde estavam Karsten Warholm, da Noruega, que estabeleceu um recorde mundial na final masculina dos 400 metros com barreiras, e Sydney McLaughlin, da equipe dos Estados Unidos, que repetiu o feito na final feminina.

Atletas têm comentado sobre a pista rápida, enquanto outros dizem que os chamados “super spikes” desenvolvidos pela Nike dão uma vantagem aos atletas que usam os sapatos da marca.

Os sapatos apresentam uma sola rígida e uma bolsa de ar sob a planta do pé, além de usar um novo tipo de espuma que é mais macia, retorna mais energia e é muito leve, disse Geoff Burns, cientista esportivo da Universidade de Michigan.

“Essa combinação foi realmente transformadora”, disse Burns à CNN na sexta-feira (6).

Tecnologia na corrida

Visto pela primeira vez em tênis de corrida de estrada há alguns anos, a tecnologia também entrou nos tênis de corrida.

Sua introdução reduziu significativamente os tempos de corrida em estrada e, embora seu efeito na pista seja menos pronunciado, ainda dá uma vantagem estimada de 1% a 2% para corredores de média e longa distância, disse Burns.

“O quanto isso move o eixo em um evento de sprint, isso é uma grande incógnita no momento”, disse ele.

Críticas

Karsten Warholm e Alison dos Santos na chegada da final dos 400m com barreiras
Karsten Warholm bateu o recorde nos 400 metros
Foto: Martin Meissner/AP

Embora não haja dados sobre os efeitos dos picos em corridas mais curtas, o campeão dos 400 metros Warholm criticou os tênis da Nike usados pelo rival Rai Benjamin e levantou preocupações sobre seu potencial impacto no esporte.

“Ele tinha suas coisas entre os sapatos, o que eu odeio”, disse Warholm, que usa spikes Puma desenvolvidos com a ajuda da fabricante de carros de corrida Mercedes. “Se você quiser amortecimento, pode colocar um colchão lá, mas se você colocar um trampolim lá, acho que é besteira e tira a credibilidade do nosso esporte”, disse Warholm.

A CNN contatou a Nike e o Comitê Olímpico Internacional (COI) para comentar, enquanto Benjamin, que ficou em segundo lugar atrás de Warholm nos 400 metros com barreiras masculinos, deu crédito aos próprios atletas, em vez da tecnologia.

“As pessoas dizem que é a pista… São os sapatos. Eu usaria sapatos diferentes e ainda correria rápido, realmente não importa”, disse ele. “Há alguma eficiência no sapato, não me interpretem mal, e é bom ter uma boa pista. Mas ninguém na história vai sair por aí e fazer o que fizemos agora, nunca. Não me importa quem você seja.”

‘Doping tecnológico’

Tecnologia dos sapatos usados em Tóquio gerou debate entre atletas
Tecnologia dos sapatos usados em Tóquio gerou debate entre atletas
Foto: Charlie Riedel/AP

No entanto, alguns críticos argumentam que os desenvolvimentos tecnológicos são semelhantes ao uso de medicamentos para melhorar o desempenho. 

“Estamos falando sobre integridade de desempenho”, disse o cientista esportivo Ross Tucker à CNN em 2019, enquanto refletia sobre os desenvolvimentos na tecnologia de calçados. “Esses sapatos criam os mesmos problemas que o doping gera.”

Outros, como Burns, apontam para o fato de que os sapatos não quebram nenhuma regra. “Não é doping mecânico no sentido de que todos esses sapatos são legais”, disse ele. “Eles não estão trapaceando.”

Tecnologia em calçado de atletas gera debate
Foto: David Josek/AP

Mas a tecnologia levanta questões espinhosas quando se trata de comparar os atletas de hoje com os recordistas anteriores.

No início deste ano, o detentor do recorde mundial masculino de 100 metros, Usain Bolt, disse que não estava preocupado se seus recordes fossem eventualmente quebrados com a ajuda de tal tecnologia, em vez de pura destreza física.

“O fato de que todos saberão o motivo não me incomoda”, disse Bolt à CNN em março. “Como eu disse, estou feliz por ser o homem mais rápido do mundo, mas sempre foram as medalhas de ouro que realmente importaram para mim, porque é assim que você realmente prova seu valor.”

‘Mais rebote’

Andre De Grasse, do Canadá, beija seus sapatos após a vitória nos 200 metros
Andre De Grasse, do Canadá, beija seus sapatos após a vitória nos 200 metros
Foto: Nathan Denette/The Canadian Press via AP

Enquanto Warholm reconheceu que os atletas estão empurrando uns aos outros para tempos mais rápidos, o norueguês de 25 anos também mencionou o que chamou de “grande pista”.

A superfície é fornecida pelo fabricante italiano Mondo, que afirmou que o seu principal objetivo “é maximizar a velocidade dos atletas e melhorar o seu rendimento”.

De acordo com a World Athletics e a Mondo, mais de 280 recordes mundiais foram estabelecidos nas pistas da empresa antes das Olimpíadas de Tóquio.

Dalilah Muhammad, que ganhou a prata nos 400 metros com barreiras femininos pela equipe dos Estados Unidos, é uma das várias atletas que notou como a pista afetou seu desempenho. “É uma pista realmente rápida e se resume a isso. Você pode dizer o quão rápida a pista é pela facilidade com que você está fazendo seus passos entre as barreiras”, disse ela. 

Tecnologia em sapatos de atletas
Foto: David Josek/AP

A vencedora do campeonato feminino de 400 metros com barreiras, McLaughlin, também mencionou a pista após seu desempenho recorde.

“Muitas pessoas falaram sobre os sapatos, mas acho que é apenas uma dessas faixas”, disse ela. “Isso dá a você essa energia de volta e o empurra, o impulsiona para a frente.”

Impulso 

Se a pista está funcionando da maneira que a Mondo diz, ela opera no mesmo princípio dos spikes da Nike, de acordo com Burns. “Dá mais rebote aos atletas a cada passo”, disse.

Enquanto algumas pessoas podem argumentar contra o uso de tecnologia para acelerar os tempos de corrida, outros apontam que benefícios semelhantes foram vistos em mudanças anteriores, como a mudança de pistas de concreto para pistas sintéticas, disse Burns.

“Sempre há esses pontos em nossa história do esporte em que meio que damos esses passos, e agora é um deles”, disse Burns. “Quer seja certo ou errado, ou não, certamente nos separa um pouco das figuras do passado.”

Tecnologia nos sapatos tem gerado debates
Foto: David Josek/AP

Mas Burns também admitiu que os avanços na tecnologia podem ter desvantagens para os atletas.

“Se você mover o desempenho para frente, não sabe exatamente quanto desse desempenho é devido à tecnologia”, disse Burns. “Quando você tem um atleta que bate um recorde, ele não tem mais o controle total sobre a quebra desse recorde. É aquela barganha faustiana que você fez.”

(Texto traduzido do inglês; leia aqui o original)

Mais Recentes da CNN