Fórmula 1: Verstappen é pole, e Hamilton larga em segundo no GP da Estíria

Valtteri Bottas da Mercedes, havia registrado o segundo melhor tempo, mas largará em quinto devido a punição; Lando Norris, da McLaren, sai em terceiro

Alan Baldwin, da Reuters, em Londres

Ouvir notícia

O líder do campeonato mundial de Fórmula 1 da Red Bull, Max Verstappen, conquistou a pole position para o Grande Prêmio da Estíria, na casa de sua equipe, neste sábado (26), e armou outro duelo com o rival pelo título Lewis Hamilton, que vai largar em segundo.

O heptacampeão mundial Hamilton se classificou em terceiro no Red Bull Ring da Áustria, mas se juntará a Verstappen na primeira fila porque seu companheiro de equipe na Mercedes, Valtteri Bottas, o segundo mais rápido, recebeu uma penalidade de três posições no grid no treino de sexta-feira.

 Verstappen lidera o campeonato, com 12 pontos à frente de Hamilton após sete corridas, com três vitórias cada, e o GP de domingo promete ser outra batalha emocionante entre os dois pilotos que disputam a ponta no campeonato.

Lando Norris
Lando Norris, jovem piloto da McLaren, largará em 3º lugar no GP da Estíria
Foto: Bryn Lennon/Getty Images

 

A pole, com uma volta 0,194 mais rápida que a melhor de Bottas, foi a segunda consecutiva de Verstappen depois da França no fim de semana passado, e a terceira da temporada. Também foi o primeiro da Red Bull no circuito de Spielberg.

“Estou certo de que amanhã vai ser muito apertado”, disse o piloto holandês depois de registrar o tempo mais rápido de um minuto 03,841 segundos com sua primeira volta da sessão final. Sua segunda volta foi mais lenta, mas ainda mais rápida do que qualquer outro.

“Espero que seja tão interessante como na França”, acrescentou Verstappen, que venceu em Le Castellet depois de ultrapassar Hamilton na penúltima volta como parte de uma estratégia ousada de duas paradas.

Hamilton disse que fez tudo o que podia, mas sua segunda corrida não foi um de seus melhores esforços e ele cometeu erros na corrida final.

“Mesmo assim, ele ainda está na primeira linha após o pênalti”, disse o britânico. “Fiz tudo o que podia e amanhã vamos para a corrida para lutar.

“Eles em geral tiveram um quarto de segundo sobre nós durante todo o fim de semana. Conseguimos chegar mais perto na qualificação, mas no ajuste de corrida ontem eles estavam 0,25 à nossa frente na maior parte do tempo”, acrescentou ele sobre a velocidade da Red Bull.

“Vai ser interessante ver se vamos conseguir ou não. Não acho que tenhamos um ritmo forte para ultrapassá-los, com certeza, mas talvez consigamos acompanhar. Talvez amanhã sejamos surpreendidos, talvez chova.”

Lando Norris em terceiro

A curta volta fez com que os pilotos se segurassem, disputando espaço e vento, durante a qualificação e, principalmente, no final da fase final.

Hamilton decidiu resolver o problema com as próprias mãos e ultrapassar vários carros à sua frente, sem ganhar nada, pois o tempo de Verstappen resistiu ao teste.

Lando Norris, da McLaren, vai largar em terceiro, com Sergio Perez, da Red Bull, em quarto, após a queda do grid imposta a Bottas por uma direção perigosa quando ele girou no pitlane na sexta-feira.

Pierre Gasly da AlphaTauri qualificou-se em sexto, com Charles Leclerc da Ferrari em sétimo e Yuki Tsunoda da AlphaTauri em oitavo.

Tsunoda e Bottas foram chamados por comissários depois, com o novato japonês sob investigação por supostamente impedir o finlandês.

O bicampeão mundial da Espanha, Fernando Alonso, colocou seu Alpine em nono no grid, com Lance Stroll do Aston Martin em 10º.

George Russell, da Grã-Bretanha, o principal candidato a ser parceiro de Hamilton na Mercedes na próxima temporada se a equipe decidir não estender o contrato de Bottas, se classificou em um impressionante 11º lugar para a Williams.

Seu tempo estava a apenas 0,008 de levar seu Williams até a parte superior da largada pela primeira vez.

“Isso é irritante”, disse ele no rádio da equipe.

Ainda deixou o jovem à frente de uma Ferrari, uma McLaren, um Aston Martin e uma Alpine, bem como o companheiro de equipe canadense Nicholas Latifi e os pilotos da Alfa Romeo e Haas.

A Red Bull busca sua quarta vitória consecutiva após vencer em Mônaco, Azerbaijão e França. A equipe venceu pela última vez quatro consecutivas em 2013, antes que a era do V6 turbo híbrido inaugurasse sete anos de dominação da Mercedes em 2014.

Mudança de circuito

O Grande Prêmio da Rússia passará do Parque Olímpico de Sochi para um novo circuito construído especialmente no entorno de São Petersburgo a partir de 2023, anunciou a Fórmula 1 no sábado.

A corrida, realizada pela primeira vez em 2014 após o resort do Mar Negro sediar os Jogos Olímpicos de Inverno, mudará para o circuito Igora Drive localizado a 54 km da cidade portuária de São Petersburgo, no Mar Báltico.

“Esperamos correr em um local extremamente emocionante que inclui 10 pistas profissionais para corrida e teste em aproximadamente 100 hectares”, disse a Fórmula Um em um comunicado.

Igora Drive fica a cerca de 150 km da fronteira com a Finlândia e deve ser mais acessível do que Sochi para fãs russos e internacionais. A Finlândia produziu três campeões de F1, mas nunca sediou uma corrida de campeonato.

O novo circuito foi projetado pelo arquiteto alemão Hermann Tilke e recebeu uma licença de primeiro grau em 2020.

O circuito teria sediado uma rodada do campeonato alemão de carros de turismo (DTM), bem como o feminino W Series, no ano passado, mas essas corridas foram canceladas devido à pandemia de Covid-19.

“Estou impressionado com São Petersburgo e acredito que o Grande Prêmio da Rússia em Igora Drive será um evento incrível”, disse o executivo-chefe da Fórmula 1 Stefano Domenicali.

A corrida deste ano em Sochi, que tinha contrato até 2025, está marcada para 26 de setembro.

A campeã Mercedes venceu todos os sete Grandes Prêmios da Rússia até o momento, com o sete vezes campeão mundial Lewis Hamilton triunfante quatro vezes.

São Petersburgo é a cidade natal do presidente russo Vladimir Putin, que compareceu regularmente à corrida em Sochi para entregar o troféu do vencedor.

Mais Recentes da CNN