Freddy Rincón segue na UTI sem “evolução favorável”, diz hospital

Carro onde ex-jogador estava foi atingido por um ônibus na madrugada da segunda-feira (11)

Freddy Rincón, ídolo do Corinthians, durante partida contra o Vasco da Gama, em 2000
Freddy Rincón, ídolo do Corinthians, durante partida contra o Vasco da Gama, em 2000 Shaun Botterill /Allsport/via Getty Images (14.jan.2000)

Felipe Romeroda CNN

Ouvir notícia

O estado de Freddy Rincón segue crítico e “sua evolução não tem sido favorável”, segundo boletim médico divulgado nesta quarta-feira (13), pelo hospital em Cali. O ex-jogador teve uma lesão cerebral traumática após o carro onde estava ser atingido por um ônibus na madrugada de segunda-feira (11).

Segundo as informações médicas, Freddy Rincón continua na Unidade de Terapia Intensiva, em estado crítico com manejo ventilatório e hemodinâmico e sob monitoramento permanente.

Em sua carreira, Freddy Rincón jogou por clubes colombianos, brasileiros e europeus, como CorinthiansPalmeiras, Napoli e Real Madrid. Além disso, foi jogador da seleção colombiana de 1990 a 2001, período em que participou de três Copas do Mundo.

O Corinthians se manifestou por meio de uma nota em seu Instagram: “Todas as nossas orações estão voltadas para o nosso campeão do mundo Freddy Rincón, que sofreu um grave acidente de trânsito em Cali. Fuerza, Freddy!”

Pelo clube paulista, Rincón marcou época em uma equipe que tinha Marcelinho, Ricardinho, Luizão, Dida, Vampeta e outros craques. O colombiano foi o capitão e responsável por levantar a taça do primeiro Mundial de Clubes da FIFA, vencido pela equipe alvinegra.

Pela seleção da Colômbia, Freddy Eusebio Rincón Valencia disputou três Copas do Mundo e marcou um dos gols mais importantes da história colombiana no torneio. Em 1990, então com 24 anos, foi o autor do tento que empatou a partida contra a Alemanha Ocidental aos 47 do segundo tempo, e garantiu a inédita classificação colombiana para as oitavas de final da Copa. Os alemães foram os campeões daquela copa.

 

Mais Recentes da CNN