Futebol masculino: Em jogo morno, Brasil e Costa do Marfim empatam sem gols

Jogando com um a menos desde os 15 minutos, seleção brasileira resiste à pressão, mas não consegue furar defesa dos africanos; seleções lideram grupo G

Brasil e Costa do Marfim ficaram no empate sem gols na segunda rodada do futebol masculino
Brasil e Costa do Marfim ficaram no empate sem gols na segunda rodada do futebol masculino Foto: Kiichiro Sato - 25.jul.2021/AP

Leandro Iamin, colaboração para a CNN

Ouvir notícia

A seleção brasileira de futebol masculino empatou por 0 a 0 com a Costa do Marfim, neste domingo (25), na segunda rodada da competição nas Olimpíadas de 2020.

O nível da exibição brasileira na estreia contra a Alemanha elevou as expectativas, mas uma expulsão logo aos 15 minutos comprometeu a performance da equipe de André Jardine em Yokohama.

O resultado deixa o Brasil temporariamente em primeiro do grupo G, empatado em pontos com a própria Costa do Marfim.

A expulsão do volante Douglas Luiz aconteceu em um contragolpe marfinense. A infração, sem violência, foi revisada pelo VAR, que enxergou a oportunidade clara de gol para recomendar a mudança na cor do cartão – Douglas recebeu primeiro o amarelo.

Até aquele momento, o Brasil mostrava intenção de repetir o desempenho ofensivo da estreia. Não foi possível com um a menos. A posse de bola até o intervalo foi dividida, 50% para cada lado, mesmo com a vantagem numérica marfinense, que tampouco criou oportunidades de gol em sequência ou encurralou a equipe brasileira.

Franck Kessié, do Milan, o mais badalado atleta da Costa do Marfim, deu trabalho iniciando jogadas e aparecendo no lado esquerdo do ataque. O duelo, no entanto, ficou em um estado de equilíbrio travado.

Para a etapa final, Jardine não trocou jogadores, mas, sim, a orientação de seus comandados. Explorou a inteligência tática de Dani Alves, que, pela lateral direita, apareceu mais por dentro, e fez o mesmo com Claudinho, antes aberto pela esquerda. A movimentação aumentou com a bola no pé, Antony apareceu um pouco mais e o Brasil equilibrou de vez o duelo.

Matheus Cunha sofre falta de Eboue Kouassi no empate com Costa do Marfim
Matheus Cunha sofre falta de Eboue Kouassi no empate sem gols com a Costa do Marfim
Foto: Kiichiro Sato – 25.jul.2021/AP

Bruno Guimarães, sobrecarregado, foi um destaque positivo que ajuda a explicar as ideias do treinador brasileiro. Jardine não recuou a equipe nem quando vencia a Alemanha, nem quando atuava com um a menos neste domingo.

Eboue, da Costa do Marfim, foi expulso aos 35 minutos do segundo tempo, e, em igualdade numérica, o Brasil apostou com mais ímpeto na vitória – que não chegou –, mas indicou uma equipe que não se contentou com o empate.

Pelas circunstâncias, porém, o 0x0 não é um resultado que pesa nas costas dos brasileiros. Na quarta-feira (28), o Brasil fecha a primeira fase contra a Arábia Saudita, em busca do primeiro lugar do grupo. A Costa do Marfim enfrenta a Alemanha.

Gignac e sua tarde histórica olímpica

Com 3 gols e uma assistência, Gignac (E) foi destaque da França contra a Austrál
Com 3 gols e uma assistência, Gignac (E) foi destaque da França contra a Austrália
Foto: Martin Mejia – 25.jul.2021/AP

A França enfrentou a África do Sul e esteve muito perto de uma derrota que poderia significar a eliminação olímpica.

Por três vezes os sul-africanos estiveram na frente do marcador, mas o segundo tempo, que registrou todos os sete gols da partida, foi o período de consagração olímpica de Gignac, que marcou 3 vezes e deu o passe que acabou no gol de Savanier, o da vitória, por 4×3, aos 47 do segundo tempo.

Não significa que o time francês fez um bom jogo e se apresentou à altura de sua tradição. Ao contrário, foi uma exibição tão lenta e burocrática quanto a vista na estreia diante do México, sobretudo no primeiro tempo, que acabou 0x0 apesar das 10 finalizações do time africano.

A espetacular jornada do veterano Gignac coloca a França com 3 pontos e um embate contra o Japão para definir se a classificação vem. São as duas seleções, mais o México, que negociarão em campo as duas vagas do grupo.

Argentina, econômica, reage e fica viva

Facundo Medina comemora o gol da Argentina na vitória por 1 a 0 contra o Egito
Facundo Medina comemora o gol da Argentina na vitória por 1 a 0 contra o Egito
Foto: Silvia Izquierdo – 25.jul.2021/AP

Com a obrigação de ganhar, mas sem precisar se preocupar em encantar a sua torcida, a Argentina lutou muito para vencer pelo placar mínimo, 1×0, o Egito, em Sapporo.

Fernando Batista, técnico argentino, fez três trocas em relação ao time da estreia, uma delas por obrigação, já que Ortega estava suspenso.

O zagueiro Facundo Medina, do Lens, acabou se tornando o nome da partida, primeiro pela boa atuação na retaguarda, e, depois, pelo gol da vitória, marcado aos 7 da etapa final em rebote do próprio cabeceio, que bateu na trave no lance anterior.

Foram os 3 pontos necessários para continuar viva na competição. A atuação em si foi rica em posse de bola, mas pobre, outra vez, em criatividade.

Na quarta-feira (28), a Argentina faz o mais esperado jogo desta primeira fase, contra a Espanha, com muita coisa em jogo. Será preciso pontuar para se classificar.

Mais Recentes da CNN