Homens do nado artístico colocam em xeque padrões de masculinidade

'Como na dança clássica, também há homens no nado artístico', diz nadador italiano que já foi alvo de preconceitos por estereótipos

Nadador italiano Giorgio Minisini
Nadador italiano Giorgio Minisini Reprodução/Instagram

Stefania Dall'Armida CNN

Ouvir notícia

Música. Respiração. Que comece a sincronia.

Os nadadores artísticos têm apenas dois minutos para mostrar sua força, flexibilidade e resistência aeróbica – tudo isso enquanto sorriem e tentam não tirar sua maquiagem pesada e à prova d’água.

“Se você acha que isso é fácil, estamos fazendo nosso trabalho corretamente”, diz o nadador artístico italiano Giorgio Minisini, de 25 anos, à CNN Sports. “Se você vê que estamos lutando, que estamos fazendo coisas difíceis, talvez algo esteja passando”.

Ao mergulhar mais profundamente no esporte, no entanto, a capacidade aeróbica e o esforço de sincronização são os menores problemas dos nadadores artísticos masculinos, de acordo com Minisini.

Os homens participaram do esporte em sua criação, mas até recentemente, eles sempre foram banidos das competições de elite.

“Tenho o prazer de dizer que estas desigualdades não são partem dos homens. É uma única vez em que nós – os homens – somos discriminados”, admite a Minisini. “Mas se não há discriminações, é melhor”.

Historicamente, os homens não têm sido considerados ajustados para este esporte. Embora geralmente sejam mais fortes que as mulheres, eles são muitas vezes mais pesados fisicamente e muitas vezes menos flexíveis, por isso é mais difícil para eles flutuarem.

“Você pode ser quem quiser”

No entanto, alguns nadadores artísticos masculinos começaram a quebrar os estereótipos que os rodeiam, ao mesmo tempo em que transmitiam a beleza dos elementos masculinos no esporte.

“Estamos acostumados a ver um esporte com muita graça, muita elegância e há também um grande componente coreográfico”, diz o nadador artístico italiano Nicolò Ogliari, de 23 anos.

“É uma dança na água. Talvez, estejamos mais acostumados a ver uma mulher que faz estas coisas. Mas, como na dança clássica, também há homens no nado artístico”.

Minisini explica que “ser homem não significa que você tem que ser um certo tipo de homem. Ser uma mulher não significa que você deve ser um certo tipo de mulher. Você pode ser o que você quiser.”, diz.

“Eu acho que estas diferenças fazem a beleza [da vida]. Devemos encorajá-las”.

Minisini tornou-se o primeiro nadador artístico italiano masculino a ganhar um título individual no Campeonato Nacional de Inverno em 2021, onde venceu 13 nadadoras artísticas mulheres e levou o ouro.

“Sempre soube que queria nadar de forma diferente das mulheres e dar à natação artística algo novo”, diz ele, acrescentando que sua medalha no Campeonato Nacional de Inverno tem sido uma das mais importantes de sua carreira.

Minisini se apaixonou pelo esporte aos quatro anos de idade depois de assistir ao “deus do nado sincronizada” — o atleta americano Bill May. “Ver um homem nadando dessa maneira foi algo diferente”, revela Minisini.

“Acho que foi bastante convincente porque Bill nunca nadou como uma mulher. Ele sempre tentou fazer algo diferente. Eu só queria seguir seus passos quando eu comecei a nadar”.

Ogliari diz que quando ele aleatoriamente “colocou a cabeça debaixo d’água”, ele descobriu o esporte de sua vida. Devido à falta de homens praticando o esporte, ele foi capaz de competir na seleção italiana dentro de poucos anos.

Quando Minisini e sua parceira testaram positivo para Covid-19 pouco antes do Campeonato Europeu de Aquática em maio, Ogliari recebeu a convocação e conseguiu duas medalhas de bronze.

“Recebi uma chamada inesperada da comissária técnica, Patrizia Giallombardo, dizendo que ela queria me levar junto com minha parceira Isotta Sportelli. Partimos imediatamente para Roma e tivemos apenas dez dias para preparar dois exercícios – tanto técnicos como livres”, disse.

“Foi a época mais estressante do ano. Fomos catapultados para Budapeste, e devo dizer que foi uma experiência incrível. Ainda não consigo acreditar que subi ao pódio”.

Lutando por mudanças

O início da carreira de Minisini provou ser uma luta, não apenas porque ele nunca soube se os homens poderiam competir internacionalmente, mas também porque ele sempre achou difícil fazer as pessoas entenderem o que ele estava fazendo.

“Já me chamaram de gay”, diz Minisini. “Também me chamaram de estúpido porque o nado artística não era um esporte – e não era um esporte ‘masculino'”.

Se os nadadores artísticos masculinos estão enfrentando homofobia e preconceito, nos últimos anos, há também exemplos de outros desenvolvimentos mais positivos.

O primeiro grande marco foi marcado em 2015 no Campeonato Mundial de Aquática em Kazan, Rússia, quando os homens finalmente foram autorizados a competir internacionalmente.

Minisini representou a Itália no primeiro dueto misto em natação sincronizada, onde ganhou uma medalha de bronze com a parceira Manila Flamini em dueto misto técnico e reivindicou outra em dueto misto livre com Mariangela Perrupato.

“Acho que as coisas mais legais dessas competições eram estar lá com todos aqueles homens que nunca desistiram”, lembra-se ele.

“Havia Bill May na água, havia Pau Ribes – o espanhol que, como eu, nadou toda a sua vida sem saber se poderia competir internacionalmente. O mesmo aconteceu com Benoit Beaufils. Naquela competição, havia aqueles 10 homens, todos unidos com a mesma experiência”.

Minisini se considera sortudo porque ele tinha apenas 19 anos na época. “Pensando em Bill, ele tinha mais de 30 anos”, disse o italiano. “Então ele teve que lutar muito mais do que eu para competir no Campeonato Mundial”.

Entretanto, os nadadores artísticos masculinos ainda estão impedidos de competir nas Olimpíadas.

“Infelizmente, não existe esta especialidade da dupla mista”, conclui Ogliari. “Então estaquestão das Olimpíadas parece confirmar uma forma bastante ultrapassada de ver e entender este esporte”.

Em uma declaração, o Comitê Olímpico Internacional (COI) afirmou que desenvolve e estabelece o programa olímpico em colaboração com todas as partes interessadas, incluindo os atletas e os órgãos de governo esportivo individuais.

A CNN questionou a FINA – a federação internacional de natação – sobre a exclusão dos nadadores masculinos dos Jogos Olímpicos e os comentários de Ogliari, mas não recebeu uma resposta.

Enquanto os homens estão atualmente impedidos de competir nas Olimpíadas, eles esperam ser apresentados nos Jogos de Los Angeles de 2028.

“Em 2028, eu terei 32 anos de idade. Não seria a minha melhor forma. Mas as Olimpíadas são as Olimpíadas. Eu iria mesmo com apenas uma perna e me darei inteiramente para alcançar esse sonho”, diz Minisini, cuja outra ambição é criar um caminho para os nadadores que virão depois dele.

“Devemos dar às próximas gerações um mundo fácil para viver e mais oportunidades para aproveitar”.

Mais Recentes da CNN