Liverpool cobra ação de redes sociais após jogadores sofrerem insultos raciais

Clube afirmou que “condena todas as formas de discriminação”, e que irá oferecer aos jogadores 'todo apoio que necessitem'

Trent Alexander-Arnold foi vítima de insultos raciais após a partida contra o Real Madrid
Trent Alexander-Arnold foi vítima de insultos raciais após a partida contra o Real Madrid Foto: Instagram/Reprodução

Adalberto Leister Filho, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

O Liverpool pediu ação dos responsáveis pelas redes sociais para coibir casos de racismo após dois de seus jogadores terem sido vítimas de insultos nessas plataformas. O lateral-direito Alexander-Arnold e o meia Keita foram alvos de agressões após a derrota do time inglês para o Real Madrid, na terça-feira (6), pelas quartas de final da Liga dos Campeões, por 3 a 1.

“Mais uma vez, estamos discutindo tristemente o abominável abuso racial na manhã seguinte a um jogo de futebol. É totalmente inaceitável e tem que parar”, afirmou o Liverpool, em nota oficial.

O clube afirmou que “condena todas as formas de discriminação”, e que irá oferecer aos jogadores “todo apoio que necessitem”, mas que espera que as redes sociais sejam mais ágeis em punir os infratores.

“Sabemos que isso não será suficiente até que as medidas preventivas mais fortes possíveis sejam tomadas pelas plataformas de mídia social e pelos órgãos reguladores que as regem. Não se pode permitir que a situação atual continue e é responsabilidade de todos nós garantir que isso não aconteça.”

Para Marcelo Carvalho, diretor executivo do Observatório da Discriminação Racial no Futebol, o posicionamento dos clubes hoje é a principal novidade na luta contra o racismo no esporte.

“Neste caso do Liverpool, quem denunciou os torcedores foi o próprio clube. Isso mostra que os clubes hoje estão acolhendo, estão ao lado do jogador que é xingado”, analisou Carvalho. “Essa é a única mudança de comportamento que a gente tem visto, se comparar com 1950, quando quem mais apontou a culpa do Barbosa foi a imprensa”, acrescentou ele, lembrando a derrota da Seleção Brasileira na final daquela Copa do Mundo, na qual o goleiro Barbosa foi apontado como culpado.

Para Carvalho, atletas negros como Alexander-Arnold e Keita podem ser ídolos nos clubes, mas não são humanizados pelos torcedores racistas. 

“Esse futebol tolera os jogadores negros enquanto eles entregarem o resultado que os torcedores querem. Após a suposta primeira falha, ou o jogador não ter o rendimento que o torcedor espera, a primeira coisa que ele faz é desumanizar esse jogador. A primeira ofensa que vem é xingar esse jogador de macaco. Na maioria das vezes, é associada a culpa a esses jogadores negros pela derrota”, afirmou.

Mais Recentes da CNN