Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Nadal diz “sentir muito” por Djokovic, mas que sérvio “sabia dos riscos”

    Sérvio de 34 anos foi detido por autoridades de controle da fronteira em meio a uma onda de protestos sobre a decisão de conceder ao tenista uma dispensa médica sobre a vacinação

    Rafael Nadal durante sessão de treino em Melbourne, na Austrália
    Rafael Nadal durante sessão de treino em Melbourne, na Austrália Loren Elliott/Reuters (5.jan.2022)

    Da Reuters

    Melbourne

    Ouvir notícia

    O espanhol Rafael Nadal disse lamentar que Novak Djokovic tenha sido impedido de entrar na Austrália, mas acrescentou que o sérvio sabia há meses que poderia enfrentar problemas caso chegasse ao país sem estar vacinado contra a Covid-19.

    Djokovic, de 34 anos, foi detido por autoridades de controle da fronteira nesta quinta-feira (6) em meio a uma tempestade de protestos sobre a decisão de conceder ao tenista uma dispensa médica dos requisitos de vacinação para disputar o Aberto da Austrália.

    O tenista número um do mundo, que venceu nove Abertos da Austrália, incluindo os três últimos, e está empatado com Nadal e o suíço Roger Federer com 20 títulos de Grand Slam na carreira, está hospedado em um hotel de quarentena em Melbourne enquanto seus advogados contestam a proibição de entrada do governo federal australiano.

    “É claro que não gosto da situação que está acontecendo”, disse Nadal a repórteres após vencer sua partida no torneio Melbourne Summer Set ATP 250. “De certa forma, sinto muito por ele.”

    “Mas, ao mesmo tempo, ele conhecia as condições desde muitos meses atrás, então ele toma a própria decisão.”

    Nadal, de 35 anos, testou positivo para a Covid-19 no mês passado, depois de jogar um torneio em Abu Dhabi. O espanhol disse que experimentou alguns dias “muito desafiadores”.

    Djokovic, que tem criticado publicamente a vacinação obrigatória, se recusou a revelar seu status de imunização e disse que recebeu uma isenção médica para competir na Austrália.

    Mais Recentes da CNN