Nadal e outros atletas não participarão da Olimpíada de Tóquio; veja lista

Motivos vão desde lesões e foco em outras competições até sequelas da Covid-19

Rafael Nadal comemora match point em jogo pelo US Open de 2019
Rafael Nadal comemora match point em jogo pelo US Open de 2019 Foto: Robert Deutsch/USA Today/Reuters

Anna Satie, da CNN em São Paulo

Ouvir notícia

O bicampeão olímpico Rafael Nadal anunciou na última semana que não participará dos Jogos Olímpicos de Tóquio, previstos para começarem em 23 de julho, por “questões físicas”. 

O tenista, que também não jogará o torneio de Wimbledon, disse que tomou a decisão após ouvir o próprio corpo e discutir com a equipe dele. 

Além de Nadal, outros medalhistas e atletas consagrados não participarão da Olimpíada deste ano. Os motivos vão desde lesões e foco em outras competições até sequelas da Covid-19.

Veja:

Cristiane (Brasil)

A atacante da seleção brasileira ficou de fora da lista de convocadas para os Jogos de Tóquio. Essa é a primeira vez que ela não participará de uma Olimpíada desde a estreia dela nas competições, em Atenas-2004. Em depoimento publicado nas redes sociais, a atleta de 38 anos disse que essa seria a última Olimpíada dela, “pra fechar um ciclo como a maior artilheira de todos os tempos na modalidade – no feminino e masculino”

Jade Barbosa (Brasil)

A ginasta se lesionou durante um treinamento no começo deste mês e ficou de fora do Pan de Ginástica Artística, torneio classificatório para os Jogos. Barbosa já participou de dois Jogos Olímpicos, o de Pequim, em 2008 e o do Rio, em 2016.

Steffi Kriegerstein (Alemanha)

A alemã, que foi medalhista de prata da canoagem nos Jogos do Rio, disse que não disputará os Jogos por sequelas deixadas pela Covid-19.

Em entrevista ao jornal Bild, ela disse que sofria de cansaço excessivo e dores de cabeça, e que até subir as escadas do apartamento causava desconforto. 

Dominic Thiem (Áustria)

Número cinco do mundo, o austríaco campeão do US Open disse que não participará dos Jogos para focar em Wimbledon e na defesa do seu título em agosto, em Nova York.

LeBron James (EUA)

O astro do Los Angeles Lakers disse à imprensa americana que não perseguiria o terceiro ouro olímpico. James venceu medalha de bronze em 2004 e de ouro, em 2008 e 2012.

Alistair Brownlee (Reino Unido)

O bicampeão olímpico do triatlo foi desclassificado de etapa classificatória para os Jogos, a World Series em Leeds, na Inglaterra, por, na visão dos juízes, tentar afogar um adversário durante a prova de natação. Brownlee nega que tenha feito de propósito.

Nas redes sociais, ele disse vai se aposentar do triatlo olímpico. “Não era assim que eu queria que minha última prova da World Series acontecesse”, escreveu.

 

Luvo Manyonga (África do Sul) 

Prata no salto em distância na Rio 2016, o sul-africano foi suspenso por quatro anos após ser pego pela segunda vez no exame antidoping. Manyonga já havia cumprido 18 meses de suspensão entre 2011 e 2012 por ter usado metanfetamina.

Delegação da Coreia do Norte

O país não participará dos Jogos deste ano por causa da pandemia, segundo o serviço de informações do Ministério dos Esportes. “O comitê decidiu em reunião não participar da 32ª edição dos Jogos, para proteger os atletas da crise de saúde mundial gerada pela Covid-19”, disse o comunicado.

Delegação da Rússia

A Rússia foi banida de todas as competições profissionais de esportes até 2022, segundo decisão da Corte Arbitral do Esporte em dezembro do ano passado. A determinação aconteceu após a descoberta que o país adulterava um banco de dados do laboratório de testes em Moscou antes de repassá-los à Agência Mundial Anti-Doping. 

O veto também vale para a Copa do Mundo do Catar, em 2022, e para os Jogos de Inverno de Pequim, no mesmo ano. 

Os atletas que não estão envolvidos no esquema poderão competir sem indicar a nacionalidade, usando uma bandeira do Comitê Olímpico Internacional.

Mais Recentes da CNN