‘Não sou nenhum herói’, diz médico da F1 que ajudou a resgatar Grosjean

O médico da Fórmula 1 que ajudou Romain Grosjean a fazer uma saída "milagrosa" de um incêndio no Grande Prêmio do Bahrein minimizou o heroísmo de seu ato

Carro de Romain Grosjean explode após batida no GP do Bahrein, mas piloto da Haas escapa
Carro de Romain Grosjean explode após batida no GP do Bahrein, mas piloto da Haas escapa Foto: Reprodução/Twitter

Por Iain Axon,

da Reuters

Ouvir notícia

O médico da Fórmula 1 que ajudou o piloto Romain Grosjean a fazer uma saída “milagrosa” de um incêndio no Grande Prêmio do Bahrein minimizou o heroísmo de seu ato e disse nesta segunda-feira que eles iriam aprender com o episódio para agir ainda melhor caso um acidente terrível como esse acontecesse novamente.

Leia também:
Correspondente Médico: Halo que protege crânio pode ter salvo a vida de Grosjean

O médico da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) Ian Roberts, que correu em direção ao fogo utilizando um capacete sem proteção facial para ajudar Grosjean a deixar o foco do incêndio, disse que o francês havia feito um grande trabalho ao se libertar dos destroços de seu carro em chamas. 

Roberts e o piloto do carro médico Alan van der Merwe foram celebrados como heróis após o drama do último domingo, mas disseram que estavam apenas fazendo seus trabalhos. 

“Não sou nenhum herói. Muitas pessoas fazem coisas sérias e heróicas de fato. Eu fiz o que era necessário, então não, eu não me considero um herói”, disse o médico à Reuters TV. “Mas estou muito contente com as palavras gentis das pessoas.”

Van der Merwe disse que havia discussões sobre possíveis mudanças que poderiam ser feitas para o Grande Prêmio de Sakhir, no próximo final de semana no mesmo circuito. 

“Ian e eu vamos fazer algumas pequenas coisas que acreditamos que vão nos fazer ganhar mais tempo ou uma margem maior. Já conversamos sobre isso durante o café da manhã de hoje”, contou. “Agora temos mais experiência para agir em cima. Esse era um cenário que imaginávamos, agora já estivemos lá”, acrescentou. 

Tópicos

Mais Recentes da CNN