‘Ou estão dentro ou estão fora’, diz presidente da Fifa aos clubes da Superliga

Gianni Infantino diz que clubes não podem estar 'metade dentro, metade fora' do sistema de futebol estabelecido e devem enfrentar a realidade de sua decisão

Gianni Infantino, presidente da Fifa, se mostrou contrário à criação da Superliga da Europa por clubes
Gianni Infantino, presidente da Fifa, se mostrou contrário à criação da Superliga da Europa por clubes Foto: Reuters

Reuters

Ouvir notícia

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, disse aos 12 clubes fundadores da Superliga da Europa nesta terça-feira (20) que eles não poderiam estar “metade dentro, metade fora” do sistema de futebol estabelecido e devem enfrentar a realidade de sua decisão.

Os espanhóis Atlético de Madri, Barcelona e Real Madrid, os ingleses Arsenal, Chelsea, Liverpool, Manchester United, Manchester City e Tottenham, além dos italianos Inter de Milão, Juventus e Milan são os fundadores da competição, mas a Uefa ameaçou bani-los das competições nacionais e internacionais e prometeu combater a mudança.

“Se alguns escolherem seguir seu próprio caminho, então eles devem viver com as consequências de sua escolha, eles são responsáveis por sua escolha – concretamente isso significa, ou estão dentro ou estão fora. Não podem estar meio dentro e meio fora. Isto tem de ficar absolutamente claro”, disse Infantino ao congresso da Uefa em Montreux, na Suíça.

Os comentários de Infantino foram feitos depois de a Superliga ter convocado na segunda-feira negociações com a Uefa e a Fifa sobre o lugar da nova competição no “ecossistema” do futebol.

O chefe da Fifa, que antes foi secretário-geral da Uefa, repetiu sua oposição ao projeto de separação.

“Só podemos desaprovar fortemente uma Superliga que é uma loja fechada, separada das instituições atuais”, disse Infantino. “Sem dúvida alguma da desaprovação da Fifa. Apoio total à Uefa.

“Esperamos que tudo volte ao normal, que tudo se resolva, mas sempre com respeito, sempre com solidariedade e com os interesses do futebol nacional, europeu e global.”

Mais Recentes da CNN