Políticos da UE pedem que Olimpíadas retirem proibição de touca para cabelo afro

Federação Internacional de Natação proibiu uso de toucas para cabelos volumosos; deputados veem questão como ato racista

Foto: Touca de natação da marca britânica Soul Cap/Reprodução

Luke Mcgee, da CNN

Ouvir notícia

Um grupo anti-racista de membros do Parlamento Europeu acusou a comunidade esportiva global, incluindo o Comitê Olímpico Internacional (COI), de ter “estruturas institucionais e regras que excluem especificamente pessoas negras”.

Em uma carta a Thomas Bach e Sebastian Coe, presidentes do COI e do Atletismo Mundial, o Intergrupo Anti-Racismo e Diversidade do Parlamento Europeu disse que a proibição efetiva da Federação Internacional de Natação (FINA) da touca de natação da marca Soul Cap em torneios internacionais, incluindo as Olimpíadas, “reflete a estigmatização do cabelo negro e leva a desigualdades institucionais, especialmente visando mulheres negras.”

Soul Cap, uma marca com sede no Reino Unido, disse que a FINA se recusou a aprovar as toucas projetadas para “cabelos grossos, cacheados e volumosos” porque não “seguem a forma natural da cabeça”, disse a empresa à BBC.

 A carta dos políticos, compartilhada exclusivamente com a CNN, pede que a proibição seja suspensa porque as Olimpíadas deveriam ser baseadas no jogo limpo e na igualdade de oportunidades. “Que vença a melhor pessoa”, acrescenta.

Os eurodeputados sugerem que os presidentes não só admitam que as regras são de “carácter excludente”, mas vão mais longe e sugerem também que “estabeleçam enquadramentos e políticas para prevenir casos semelhantes de exclusão”.

Explicando o seu particular interesse neste caso, os eurodeputados afirmaram que a União Europeia “se baseia nos valores da igualdade e da não discriminação” e que os tratados da UE incentivam o bloco a promover a lealdade e a abertura em todas as competições desportivas.

A FINA disse em 2 de julho que revisaria a proibição, embora nenhuma decisão tenha sido tomada até o momento. A CNN tentou entrar em contato com a FINA, mas não obteve resposta.

A CNN também fez contato com o COI, que encaminhou a questão para a assessoria de imprensa dos Jogos de Tóquio, e a World Athletics, que encaminhou a CNN de volta à FINA.

Samira Rafaela, a eurodeputada holandesa que iniciou a carta, disse: “[FINA está] recusando-se a permitir toucas da Soul Cap e o raciocínio anexo reflete nada além de ignorância e racismo … Nosso apelo ao COI é simples: Isso não pode ser o objetivo das regras, então é hora de mudar as regras. “

A carta também critica a comunidade esportiva internacional além da proibição do Soul Cap, acrescentando que a “estigmatização das mulheres negras e de seus corpos não é um fenômeno novo”.

Ele destaca o caso de duas velocistas cisgênero de 18 anos da Namíbia, Christine Mboma e Beatrice Masilingi, que foram banidas dos 400 metros rasos femininos devido aos seus níveis naturais de testosterona serem muito altos para os esportes femininos.

“Mboma e Masilingi só podem entrar nas Olimpíadas se concordarem em tomar medicamentos para reduzir seus níveis naturais de testosterona”, diz a carta.

Rafaela disse em um e-mail à CNN que “Este é o mundo de cabeça para baixo”, acrescentando que: “Se o COI não se responsabilizar por garantir um esporte inclusivo e anti-racista, os políticos devem lembrá-los. Estamos em 2021, regras e legislação baseadas em estereótipos devem ser alteradas. Essa é a única forma de fazer esporte, realmente, para todos”.

(Texto traduzido. Leia aqui o original em inglês.)

Mais Recentes da CNN