Tradição x dinheiro: quem são os favoritos nas quartas da Champions

Manchester City é a equipe que mais investiu em contratações nos últimos cinco anos, enquanto o Villareal é o que menos gastou; confrontos começaram nesta terça (5)

Troféu da Liga dos Campeões durante sorteio da fase de grupos do torneio
Troféu da Liga dos Campeões durante sorteio da fase de grupos do torneio Foto: Divulgação - 1.out.2020/Reuters

Bruno OliveiraDanilo MoliternoGabriel Fernedada CNN

Em São Paulo

Ouvir notícia

Depois do sorteio dos grupos da Copa do Mundo, os confrontos das quartas de final da Liga dos Campeões prometem chamar a atenção dos apaixonados por futebol. Entre os oito clubes que ainda disputam o principal campeonato europeu, os poderosos Real Madrid, Chelsea, Liverpool, Manchester City e Bayern de Munique surgem como os principais candidatos ao título. Com exceção do City, atual campeão da Premier League, os outros quatro venceram as últimas edições do torneio.

Mas não é só a tradição que faz uma equipe favorita. O investimento financeiro, principalmente na montagem do elenco, é fator decisivo para avançar de fase. As disputas das quartas de final começaram nesta terça-feira (5).

Para destrinchar o peso do dinheiro para a conquista da taça, reunimos aqui quanto cada um dos times que estão nas quartas da Liga dos Campeões gastou nos últimos cinco anos, quantos jogadores foram contratados nesse período e qual foi a contratação mais cara. Os dados apresentados foram convertidos em real com base na cotação do Euro do dia 4 de abril, de R$ 5,04.

Manchester City x Atlético de Madrid

Os atuais campeões inglês e espanhol protagonizam o mais endinheirado dos quatro confrontos. Enquanto o inglês Manchester City, entre as oito equipes, é a que mais investiu em contratações nos últimos cinco anos, o Atlético de Madrid, da Espanha, é o terceiro de maior aporte financeiro no período.

Finalista da última edição da Champions League, o City investiu o equivalente a R$ 5,62 bilhões em contratações entre as temporadas 2016/17 e 2021/22 –de acordo com levantamento do site especializado Transfermarkt. No período, 159 jogadores chegaram ao clube inglês.

A contratação mais cara realizada pela equipe se concretizou em agosto de 2021. Naquele momento, o inglês Jack Grealish deixava o Aston Villa rumo a Manchester por cerca de R$ 611 milhões.

O Atlético de Madrid, da mesma forma, trabalhou intensamente no mercado de transferência nos últimos cinco anos. Neste período o clube espanhol investiu o equivalente a R$ 3,9 bilhões na aquisição de novos atletas.

A equipe, comandada pelo argentino Diego Pablo Simeone, contou com a chegada de 118 jogadores entre as temporadas citadas. A mais cara das contratações foi a do português João Félix, que custou cerca de R$ 662 milhões, em julho de 2019.

Os altos investimentos realizados pelo Manchester City nos últimos cinco anos aumentam a pressão para que o time avance de fase e se aproxime do inédito título da Champions League. A despeito dos três troféus de Premier League conquistados no passado recente, a expectativa é grande para que Pep Guardiola conduza a equipe inglesa à conquista do continente.

No primeiro jogo, realizado nesta terça, o City levou a melhor e ganhou por 1 a 0. A segunda partida ocorre no dia 13.

Benfica x Liverpool

O confronto entre o português Benfica e o Liverpool, da Inglaterra, demonstra o abismo econômico que separa os mercados da Inglaterra e de Portugal. Enquanto o Benfica é o clube que realizou maior aporte em seu país no período destacado, o Liverpool não ocupa sequer o “Top 5” do futebol inglês no mesmo quesito. De qualquer maneira, o valor investido pelo clube inglês é mais que o dobro do despendido pelo rival.

Time de menor investimento entre os oito que disputarão as quartas, o Benfica investiu, de 2016/17 a 2021/22, cerca de R$ 1,7 bilhão. Por outro lado, é a equipe que adquiriu o maior número de atletas no período: 190.

Dentre as dezenas de jogadores contratados, Darwin Núñez foi o que demandou maior aporte financeiro, com o Benfica tendo que desembolsar o equivalente a R$ 125 milhões para contar com o uruguaio.

Do outro lado do confronto, o Liverpool injetou cerca de R$ 3,1 bilhões em seu futebol no mesmo período. Na temporada 2018/2019, o investimento dos Reds já entregava frutos, com a conquista da sexta Liga dos Campeões da história do clube.

Entre os 98 jogadores que chegaram ao elenco no período, se destacam as cifras pagas pelo holandês Van Dijk, contratado por cerca de R$ 476 milhões.

Tão discrepante quanto os valores investidos pelos clubes é a longevidade de seus atuais trabalhos. Enquanto o Liverpool conta com Jürgen Klopp desde a temporada 2015/16, o comando técnico do Benfica foi assumido pelo português Nélson Veríssimo apenas em dezembro de 2021 –quando Jorge Jesus, ex-Flamengo, deixou o cargo.

No jogo de ida, realizado ontem, o Liverpool levou a melhor e bateu os portugueses por 3 a 1. A partida de volta será no dia 13.

Chelsea x Real Madrid

O duelo entre os ingleses –atuais vencedores da Liga dos Campeões– e os espanhóis, que lideram o ranking de títulos da competição, com 13 conquistas, é o confronto mais equilibrado das quartas de final do torneio.

Nos últimos cinco anos o Chelsea investiu cerca de R$ 5 bilhões em contratações. No período, o clube contratou 172 jogadores, ficando atrás apenas do Benfica entre as oito equipes que estão nesta fase da eliminatória.

A contratação mais cara da equipe, atual campeã europeia e do Mundial de Clubes da Fifa, nas últimas cinco temporadas é o belga Romelu Lukaku. Um dos destaques da seleção que eliminou o Brasil na Copa da Rússia, o centroavante trocou a Inter de Milão pelo Chelsea por aproximadamente R$ 615 milhões.

O Real Madrid também recorreu ao talento belga para fazer a maior contratação no período, e justamente do adversário inglês. O atacante Eden Hazard se tornou reforço merengue por cerca de R$ 579 milhões.

Nos últimos cinco anos, o Real Madrid investiu cerca de R$ 3 bilhões em contratações. Ao todo, foram 90 chegadas, o segundo clube que menos comprou jogadores entre os classificados para as quartas da Liga dos Campeões, perdendo apenas para o Bayern de Munique.

Villarreal x Bayern de Munique

O confronto entre o espanhol Villarreal e Bayern de Munique, da Alemanha, também apresenta algumas diferenças entre as duas equipes.

Em contrapartida, no quesito futebol, a diferença de investimento não é tão grande quanto muitos podem imaginar.

O Bayern, que se colocou como uma das grandes forças do futebol mundial nas últimas temporadas, possui investimento de cerca de R$ 2,3 bilhões, contando com 67 jogadores contratados.

O lateral-esquerdo francês Lucas Hernández foi a aquisição mais cara deste período, custando aproximadamente R$ 403 milhões quando se transferiu, vindo do Atlético de Madrid.

Do outro lado, o Villareal investiu um pouco menos, R$ 1,6 bilhão. Contudo, esse dinheiro está muito mais espalhado quando se fala de contratações, com 132 novos atletas chegando ao clube. Arnaut Danjuma, atacante que chegou junto ao Bournemouth, custou R$ 118 milhões.

Com um investimento maior, o Bayern fez quase metade das contratações dos rivais, mostrando a possibilidade de investimento em atletas mais caros, diferentemente do Villareal, que trouxe mais atletas, porém com menos custo.

Dinheiro traz felicidade no futebol?

Por um lado, os clubes que realizaram maiores aportes financeiros aparecem como favoritos em seus respectivos confrontos. Por outro, a própria composição das quartas de final demonstra que dinheiro não é tudo quando se trata de futebol: dos oito classificados, apenas três estão no “top 10” dos clubes que mais gastaram entre as temporadas de 2016/17 e 2021/22.

Entre os europeus que mais investiram no período, estão times como Arsenal, Barcelona, Paris Saint-Germain, Inter de Milão, Manchester United, Roma e Juventus, que estão fora das quartas de final.

Já entre as equipes que disputam vaga nas semifinais do campeonato continental estão Bayern de Munique, Villarreal e Benfica –respectivamente 24º, 30º e 39º entre os maiores investimentos da Europa.

O levantamento do Transfermarkt indica ainda que, para além do montante investido, é necessário considerar o tempo de “amadurecimento” de cada investimento. Os clubes que mais investiram entre 2011-2012 e 2016-2017 ocupam em peso as quartas de finais do último biênio.

Nesta edição da Champions League, cinco dos dez clubes que mais gastaram no período destacado estão nas quartas de final (Manchester City, Chelsea, Real Madrid, Atlético de Madrid e Liverpool. No ano passado, da mesma forma, cinco dos que mais investiram entre 2011/12 e 2016/17 chegaram a essa fase: Manchester City, Chelsea, Real Madrid, Liverpool e Paris Saint-Germain.

Jogos de ida das quartas de final:

  • Benfica 1 x 3 Liverpool (5 de abril)
  • Manchester City 1 x 0 Atlético de Madrid (5 de abril)
  • Villarreal x Bayern (6 de abril)
  • Chelsea x Real Madrid (6 de abril)

Jogos de volta das quartas de final:

  • Bayern x Villarreal (12 de abril)
  • Real Madrid x Chelsea (12 de abril)
  • Atlético de Madrid x Manchester City (13 de abril)
  • Liverpool x Benfica (13 de abril)

Mais Recentes da CNN