Treinadores de Belarus sem credenciamento do COI deixarão Tóquio

Yuri Moisevich e Artur Shumak estão envolvidos no episódio com Krystsina Tsimanouskaya, que desertou para a Polônia após se recusar a voltar para seu país

Hannah Ritchie e Anna Chernova, da CNN

Ouvir notícia

Dois membros da equipe de atletismo de Belarus, que tentaram mandar à força a velocista Krystsina Tsimanouskaya para casa na segunda-feira (2), retornarão a Minsk, disse o Comitê Olímpico Nacional de Belarus nesta sexta-feira (6). 

Tsimanouskaya deveria competir nos 200 metros rasos feminino nas Olimpíadas 2020 na segunda, mas desertou para a Polônia após alegar que representantes da seleção de Belarus tentaram mandá-la de volta para seu país contra sua vontade.

O técnico de esportes Yuri Moisevich e o funcionário da equipe Artur Shumak tiveram seus credenciamentos nas Olimpíadas 2020 removidos nesta sexta e foram convidados a deixar a Vila Olímpica, após uma audiência disciplinar do Comitê Olímpico Internacional (COI) sobre o incidente. 

“No interesse do bem-estar dos atletas de Belarus que ainda estão em Tóquio e como medida provisória, o COI cancelou e removeu na noite passada os credenciamentos dos dois treinadores”, disse o COI em um tuíte nesta sexta-feira.

Em resposta à decisão do COI, o Comitê Olímpico Nacional de Belarus disse que os dois treinadores voltariam em breve para a capital Minsk, onde “se reservam o direito de apelar da decisão”.

“No momento, a investigação ainda está em andamento… em um futuro próximo os treinadores voltarão a Minsk. No entanto, eles se reservam o direito de apelar dessa decisão”, disse o comunicado do Comitê. 

“Estamos em estreita cooperação com o COI para esclarecer todas as circunstâncias desta decisão. O Comitê de Belarus defende totalmente e continuará a defender os interesses de todos os atletas e treinadores bielorrussos de qualquer forma de discriminação”, continuou. 

(Texto traduzido; leia o original em inglês)

Mais Recentes da CNN