“Uma situação que só vemos em filme”, diz Bill, jogador do Dnipro, da Ucrânia

Atleta brasileiro desembarcou no Brasil neste domingo (27); são 30 jogadores brasileiros que atuam na primeira divisão do futebol ucraniano

Bill estava há cerca de um mês treinando na Turquia para a pré-temporada, quando retornou a Ucrânia em 23 de fevereiro

Artur NicoceliCamille CoutoLayane SerranoLucas Madureirada CNN

em São Paulo e no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

O brasileiro Fabrício Rodrigues da Silva Ferreira, mais conhecido como Bill, chegou neste domingo (27), no aeroporto de Galeão (Rio de Janeiro). Ele é atleta do Dnipro, e estava na Ucrânia há um ano e dois meses.

Em entrevista à CNN, Bill conta que ficou muito aliviado ao chegar na Romênia, país que compartilha uma fronteira de aproximadamente 650 quilômetros com o território ucraniano, “é uma situação que só vemos em filme, e que, de repente, acontece com a gente”.

“Quando a gente chegou do outro lado, vimos pessoas da Romênia recebendo refugiados, então ficamos tranquilos”.

Ele estava há cerca de um mês treinando na Turquia para a pré-temporada quando retornou a Ucrânia em 23 de fevereiro. E, na manhã do dia seguinte, as forças russas começaram a bombardear diversas regiões do país.

Para se proteger, o jogador e seus familiares foram para uma região mais afastada da cidade. “Saímos do centro, pois pediram para ficarmos longe de bases militares, onde é o foco dos russos”, afirma.

O clube alojou os jogados em um hotel, e, no dia seguinte, em 26 de fevereiro, Bill decidiu ir para a fronteira da Ucrânia com a Romênia. “[Sair] é uma escolha nossa, ninguém vai nos ajudar”.

São 30 jogadores brasileiros que atuam na primeira divisão do futebol ucraniano. Considerando as duas primeiras divisões, o número de atletas brasileiros que atuam no país sobe para 40.

Desde que Vladimir Putin autorizou uma operação militar na Ucrânia, diversos jogadores se manifestaram pedindo auxílio para deixar o país. Os atletas do Dnipro foram os primeiros a conseguirem escapar dos confrontos e chegar ao Brasil.

Mais Recentes da CNN