Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Exclusivo: Fifa rejeita pedido de Zelensky para se pronunciar na final da Copa

    Uma fonte relatou à CNN que o escritório do presidente ucraniano está se oferecendo para aparecer em um link de vídeo para os torcedores no estádio do Catar, antes do jogo, e ficou surpreso com a resposta negativa

    Matthew Chanceda CNN

    Um pedido do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, para compartilhar uma “mensagem de paz mundial” antes do início da final da Copa do Mundo neste domingo (18) foi rejeitado pela Fifa, disse uma fonte à CNN.

    A fonte disse que o escritório de Zelensky está se oferecendo para aparecer em um link de vídeo para os torcedores no estádio do Catar, antes do jogo, e ficou surpreso com a resposta negativa. Não está claro se a mensagem de Zelensky seria ao vivo ou gravada.

    “Achamos que a Fifa queria usar sua plataforma para um bem maior”, disse a fonte.

    No entanto, as negociações entre a Ucrânia e o órgão regulador do esporte ainda estão em andamento, acrescentou a fonte. A CNN procurou a Fifa para comentar, mas não houve retorno imediato.

    O pedido, embora pouco ortodoxo, não é surpreendente. Kiev tentou repetidamente usar grandes eventos mundiais, independentemente de seu tema, para manter os holofotes globais sobre a guerra na Ucrânia.

    Zelensky apareceu em vídeo em tudo, desde a cúpula do G20 até o Grammy e o Festival de Cinema de Cannes.

    Ele também deu entrevistas e conversas com diversos jornalistas e artistas famosos, incluindo Sean Penn e David Letterman, empregando o charme e o conhecimento de mídia que desenvolveu na indústria do entretenimento – ele foi ator antes de se tornar político – para angariar apoio para a Ucrânia.

    Críticas antes do torneio

    A Fifa, no entanto, fez de tudo para manter as mensagens políticas fora de seu torneio no Catar, a primeira nação do Oriente Médio a sediar o evento.

    As críticas tratamento do rico estado do Golfo às pessoas LGBT+ e aos trabalhadores migrantes aumentaram nas semanas que antecederam a Copa do Mundo.

    O chefe da Fifa, Gianni Infantino, respondeu com um discurso explosivo pouco antes do início do torneio, acusando a Europa e o Ocidente de hipocrisia.

    A Fifa e sete nações europeias mais tarde entraram em conflito sobre a ameaça de sanções para qualquer jogador que usasse a braçadeira de capitão “OneLove” durante os jogos.

    O acessório apresenta um coração listrado em cores diferentes para representar todas as heranças, origens, gêneros e identidades sexuais.

    Horas antes do capitão da Inglaterra, Harry Kane, usar a braçadeira contra o Irã, a Fifa disse que qualquer jogador que usasse a braçadeira receberia um cartão amarelo, colocando-os em maior risco de serem expulsos ou banidos de uma partida posterior do torneio.

    Grant Wahl, o famoso jornalista de futebol americano que morreu repentinamente de um aneurisma aórtico rompido durante a Copa do Mundo, disse em novembro que foi detido e brevemente recusou a entrada em uma partida porque estava vestindo uma camiseta de arco-íris em apoio aos direitos LGBTQ.

    Em entrevista coletiva na sexta-feira, Infantino disse que a Fifa interrompeu algumas “declarações políticas” no Catar porque precisa “cuidar de todos”.

    “Somos uma organização global e não discriminamos ninguém”, disse Infantino.

    “Estamos defendendo valores, estamos defendendo os direitos humanos e os direitos de todos na Copa do Mundo. Esses fãs e os bilhões assistindo na TV, eles têm seus próprios problemas.

    Eles só querem assistir 90 ou 120 minutos sem ter que pensar em nada, mas apenas curtir um momento de prazer e alegria. Temos que dar a eles um momento em que possam esquecer seus problemas e aproveitar o futebol”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original