Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Marquinhos diz que Seleção Brasileira precisa saber gerenciar os “altos e baixos”

    Zagueiro é um dos líderes do atual elenco; após empate contra a Venezuela, Brasil encara o Uruguai nesta terça-feira (17)

    Marquinhos durante treino Seleção Brasileira em Montevideo, Uruguai.Eliminatórias 2026.
    Marquinhos durante treino Seleção Brasileira em Montevideo, Uruguai.Eliminatórias 2026. Foto: Vitor Silva/CBF

    Marcel Rizzoda Itatiaia

    Aos 29 anos, e com duas Copas do Mundo no currículo, o zagueiro Marquinhos é um dos líderes do atual elenco da Seleção Brasileira, junto com o capitão Casemiro, o lateral-direito Danilo e o goleiro Alisson.

    E sabe bem que é preciso saber cuidar dos altos e baixos normais de um ciclo longo entre os Mundiais, com uma Eliminatória de 18 rodadas.

    “É normal você ter alegria e ter momentos difíceis. O que temos que saber é gerenciar os altos e baixos. Não deixar a euforia em algum momento nos tirar os pés do chão, e também não deixar as críticas acabar com a nossa confiança”, disse o zagueiro do PSG.

    A Seleção Brasileira já vive com Fernando Diniz, após apenas três jogos, essa gangorra de emoções. Após uma goleada implacável na Bolívia em setembro, na esteia do treinador e nas Eliminatórias, 5 a 1 em Belém, o time ganhou sofrido do Peru, 1 a 0 em Lima, e apenas empatou com a Venezuela por 1 a 1, na quinta-feira passada, em Cuiabá. Da euforia da goleada, à depressão pela igualdade ruim.

    “É normal do futebol, aqui na Seleção sempre foi assim. Sabemos quanto o futebol mexe com a emoção, mexe com o dia a dia dos torcedores, com a felicidade e o sentimento das pessoas. Por isso o futebol é tão importante e maravilhoso”, disse o jogador.

    Após o empate contra os venezuelanos, um torcedor atirou um balde de pipoca no atacante Neymar, na Arena Pantanal, na capital do Mato Grosso.

    O jogador se irritou muito, e xingou o agressor, e foi amparado pelo técnico Fernando Diniz, que o levou ao vestiário.

    Para Marquinhos, o momento ainda é de ajuste com a ideia de jogo de Diniz. E que, se não há times perfeitos, o desempenho tende a melhorar com o decorrer dos jogos.

    “Conhecemos vários times que não começaram bem um ciclo de Copa do Mundo, e depois foram campeões. Temos que ir crescendo com o decorrer dos jogos, encontrando essa identidade, e não repetir erros. Essa é a receita”, disse Marquinhos.

    Brasil nas Eliminatórias

    A Seleção Brasileira enfrenta nesta terça-feira (17) o Uruguai, a partir das 21h (de Brasília), no estádio Centenário, de Montevidéu, pela quarta rodada das Eliminatórias.

    O time está na segunda colocação na tabela, com sete pontos, dois atrás da líder Argentina, que tem nove.

    Os seis primeiros garantem vaga, após 18 partidas, na Copa de 2026, que será nos EUA, no México e no Canadá. O sétimo colocado jogará uma repescagem mundial no início de 2026.

    Acompanhe a CNN Esportes em todas as plataformas