Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Mulheres trans são proibidas de jogar na liga internacional de rugby feminino

    Órgão global da Liga de Rugby proibiu mulheres transgênero de jogar em partidas internacionais femininas até novo aviso

    Matias Grezda CNN

    O órgão global da liga de rugby proibiu mulheres transgênero de jogar em partidas internacionais femininas até novo aviso.

    A International Rugby League (IRL) se junta a uma lista crescente de órgãos governamentais que recentemente restringiram atletas que fizeram a transição do gênero masculino para o feminino de competir em divisões femininas, incluindo a Federação Internacional de Natação (FINA) e a União Ciclística Internacional (UCI).

    Em um comunicado , a IRL disse que está “continuando o trabalho para revisar e atualizar as regras” e “procurará usar a próxima Copa do Mundo para ajudar a desenvolver uma política abrangente de inclusão”.

    A proibição estará em vigor para a Copa do Mundo da Liga de Rugby, que começa na Inglaterra em 15 de outubro.

    “Até que mais pesquisas sejam concluídas para permitir que a IRL implemente uma política formal de inclusão de transgêneros, as jogadoras trans não podem jogar em partidas sancionadas da liga internacional de rugby feminino”, diz o comunicado.

    “Para chegar a essa posição, a IRL revisou a participação de transgêneros na liga internacional de rugby em janeiro e fevereiro de 2021 e considerou diversos desenvolvimentos relevantes no esporte mundial”.

    “O Comitê Olímpico Internacional (COI) concluiu que é responsabilidade de cada esporte e de seu órgão regulador determinar como um atleta pode estar em uma vantagem desproporcional em comparação com seus pares – levando em consideração a natureza diferente de cada esporte”.

    A mulher transgênero Caroline Layt, que jogou a liga feminina de rugby de elite na Austrália após a transição, disse à Reuters: “É decepcionante. Somos seres humanos iguais a todos os outros.”

    “Isso só diz a crianças trans e adultos trans que você não é digno. Nem se incomode. Nem se incomode em aparecer. Qual é o ponto?”

    A decisão do COI em questão levou vários órgãos governamentais a implementar uma nova estrutura de participação de gênero em seus esportes nos últimos meses.

    Embora as novas regras da IRL sejam uma proibição geral de atletas que fizeram a transição do gênero masculino para o feminino de competir nas divisões femininas, a FINA e a UCI desenvolveram políticas detalhadas que restringem a participação.

    No domingo (19), a FINA aprovou sua nova política de “inclusão de gênero” que diz que os atletas que fizeram a transição do gênero masculino para o feminino só serão elegíveis para competir nas categorias femininas nas competições da FINA se fizerem a transição antes dos 12 anos ou antes de atingirem a segunda fase da puberdade, segundo a escala Tanner.

    A política também diz que os atletas que usaram testosterona anteriormente como parte do tratamento hormonal de afirmação de gênero feminino para masculino só serão elegíveis para competir em competições femininas se a testosterona tiver sido usada por menos de um ano no total, se o tratamento não ocorrer durante a puberdade e os níveis de testosterona no soro voltarem aos níveis pré-tratamento.

    Em resposta à decisão da FINA, o COI emitiu um comunicado na segunda-feira (20) à CNN que dizia que “os esportes nos Jogos Olímpicos são regidos pelas Federações Internacionais (FIs)”.

    E continuou: “No que diz respeito aos critérios de elegibilidade para competição segregada por sexo, a Estrutura oferece orientação para FIs sem ser obrigatória. A Declaração de Consenso anterior publicada pelo COI sobre o tema de elegibilidade para atletas trans e atletas com variações de sexo em 2015 também foi não vinculativo para FIs.”

    “O COI considera que as entidades desportivas estão bem posicionadas para definir os fatores que contribuem para a vantagem de desempenho no contexto do seu próprio esporte.”

    “Eles também estão bem posicionados para determinar o limite em que uma vantagem pode se tornar desproporcional, elaborar critérios relevantes e desenvolver os mecanismos necessários para compensar a vantagem desproporcional quando for determinada a existir”.

    Falando à BBC, o presidente do Atletismo Global, Lord Coe, disse que o esporte pode seguir o mesmo caminho que a FINA tomou para limitar a participação.

    Enquanto isso, a UCI disse na semana passada que aumentou o período de transição para testosterona mais baixa de 12 meses para dois anos e reduziu pela metade o nível máximo de testosterona.

    A Liga de Rugby difere da União de Rugby em suas regras e também tem um corpo diretivo diferente.

    No ano passado, o World Rugby, órgão que governa a união do rugby, disse que não recomendava que mulheres transgênero jogassem rugby de contato feminino “por motivos de segurança no nível internacional do jogo”. No entanto, o conselho do corpo diretivo não era vinculativo e permitia que as federações nacionais implementassem sua própria política de base.

    Em sua declaração na terça-feira (21), a IRL disse que “no interesse de evitar o bem-estar desnecessário, o risco legal e de reputação para as competições da Liga Internacional de Rugby e aqueles que competem nelas”, são necessárias mais pesquisas antes de finalizar uma política mais detalhada.

    “A IRL reafirma sua crença de que a liga de rugby é um jogo para todos e que qualquer um e todos podem praticar nosso esporte”, disse o comunicado.

    “É responsabilidade da IRL equilibrar o direito do indivíduo de participar — um princípio de longa data da liga de rugby e seu coração desde o dia em que foi estabelecido — com o risco percebido para outros participantes e garantir que todos recebam uma justa audição.

    “A IRL continuará trabalhando para desenvolver um conjunto de critérios, com base nas melhores evidências possíveis, que equilibrem de maneira justa o direito do indivíduo de jogar com a segurança de todos os participantes”.

    A IRL diz que procurará trabalhar com as oito equipes que competem na Copa do Mundo da Liga Feminina de Rugby para obter dados que ajudarão a moldar uma política de participação de transgêneros em 2023.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original