Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Richarlison se solidariza com vítimas de ataque a tiros no Espírito Santo

    Autor dos gols da vitória do Brasil sobre a Sérvia por 2 a 0, na estreia do time na Copa do Mundo, o jogador desejou "força e carinho" aos amigos e familiares

    Richarlison em jogo do Brasil pela Copa
    Richarlison em jogo do Brasil pela Copa Lucas Figueiredo/CBF

    Estadão Conteúdoda CNN

    São Paulo

    Capixaba de Nova Venécia, o atacante Richarlison publicou uma mensagem em solidariedade às vítimas do ataque a tiros a duas escolas em Aracruz, na região norte do Espírito Santo, na sexta-feira. O atentado deixou ao menos três mortos e 13 feridos.

    Autor dos gols da vitória do Brasil sobre a Sérvia por 2 a 0, na estreia do time na Copa do Mundo, Richarlison desejou “força e carinho” aos amigos e familiares, em mensagem publicada na seu perfil no Twitter, neste sábado (26).

    Ativo nas redes sociais, o atleta usa seus espaços pessoais na internet para se posicionar sobre diversos assuntos que vão muito além do futebol, como política, causas sociais e ambientais e racismo. Seus atos de solidariedade também foram elogiados nas redes sociais, nos últimos dias. Após o brilho na estreia do Brasil na Copa do Catar, internautas relembraram quando o atacante decidiu ajudar pessoas.

    Como aconteceram os ataques

    O suspeito entrou primeiro na Escola Estadual Primo Bitti, por volta das 9h30. Ele invadiu a sala dos professores e atirou nas pessoas que estavam lá. Duas morreram no local. Após esse primeiro ataque, ele entrou em um carro de cor dourada, que estava com as placas cobertas, e partiu para a segunda escola.

    No Centro Educacional Praia de Coqueiral, ele se dirigiu ao segundo andar do prédio, entrou em uma das salas de aula e começou a atirar em alunos que estavam próximos à entrada da sala. Ao todo, três pessoas foram baleadas e uma aluna de 12 anos morreu.

    O autor do crime é filho de um policial militar e estudou até junho deste ano na Escola Estadual Primo Bitti. Na hora dos ataques, ele usava roupa camuflada com uma suástica nazista no braço, capuz e tinha o rosto coberto por uma máscara de caveira, conforme imagens de câmeras de segurança.