Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Wimbledon quer banir tenistas russos; Kremlin chama medida de “inaceitável”

    Proibição de jogadores da Rússia impediria o número dois do mundo, Daniil Medvedev e Andrey Rublev, oitavo, de competir no sorteio masculino; Anastasia Pavlyuchenkova, ex-líder do circuito, também ficaria fora no feminino

    Da Reuters

    A organização do torneio de Wimbledon planeja proibir jogadores russos de competir este ano, devido à invasão russa da Ucrânia, segundo reportagem do site Sportico, publicada na terça-feira (19). O Kremlin disse nesta quarta-feira que essa proibição prejudicaria o torneio em si devido às proezas do tênis russo e é inaceitável.

    No início deste mês, o All England Lawn Tennis Club (AELTC), que organiza o Grand Slam de grama, disse que estava conversando com o governo britânico sobre a participação de jogadores da Rússia e de Belarus.

    Os organizadores disseram que planejam anunciar uma decisão em meados de maio, antes do prazo de inscrição para o torneio de 27 de junho a 10 de julho. A AELTC não respondeu imediatamente ao pedido de comentário sobre o relatório.

    A proibição de jogadores russos impediria o número dois do mundo, Daniil Medvedev e Andrey Rublev, oitavo, de competir no sorteio masculino. Anastasia Pavlyuchenkova é a 15ª no ranking feminino.

    O relatório disse que não está claro se os jogadores de Belarus também serão banidos. O país é uma área chave para a invasão, que a Rússia chama de “operação especial”.

    Os órgãos dirigentes do tênis proibiram a Rússia e Belarus de competições internacionais de equipes após a invasão. Jogadores individuais podem competir em turnês, mas não sob o nome ou a bandeira de seus países.

    “Dado que a Rússia é um país forte no tênis, as competições (que tomarem essa decisão) sofrerão com isso”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, a repórteres em uma teleconferência. “Fazer dos esportistas reféns de intrigas políticas é inaceitável. Espero que os jogadores não percam a forma”.

    O ministro do Esporte britânico, Nigel Huddleston, disse no mês passado que não se sentiria confortável com um “atleta russo com a bandeira russa” vencendo Wimbledon em Londres.