Páscoa em tempos de COVID-19: como famílias celebrarão juntas — mesmo separadas

Missas virtuais e reuniões familiares por aplicativos são algumas saídas tecnológicas para não descumprir as recomendações das autoridades de saúde

Kristen Rogers, da CNN
10 de abril de 2020 às 01:27
Padaria de Perdizes faz entrega de ovos de Páscoa (9.abr.2020)
Foto: Felipe Boldrini/CNN

Famílias ao redor de todo o mundo podem comprovar um velho provérbio nesses dias difíceis, enquanto nos aproximamos da Páscoa e do Pessach (festa judaica): "a necessidade é a mãe das invenções".

Com as pessoas sob várias restrições de movimento, incluindo pedidos para ficar em casa e auto-isolamento, famílias criam maneiras alternativas de celebrar essas datas. As adaptações incluem transmissão virtuais das missas de Páscoa em igrejas católicas e jantares virtuais para o Pessach. 

O objetivo é cumprir as diretrizes de distanciamento social celebrando juntos  — mas separados  — para impedir a disseminação do coronavírus. Algumas famílias insistem em se reunir em grandes aglomerações, mas os especialistas deixam claro que isso não deve acontecer. 

"Muitas pessoas têm uma forte necessidade e desejam estar com a família durante essas festas. Isso é tanto para a companhia quanto para fornecer apoio", analisa Joshua Coleman, psicólogo de um consultório particular em Oakland, Califórnia

"Essa realidade pode diminuir sua capacidade de pesar adequadamente esse desejo contra o risco de contágio. Além disso, estamos acostumados a associar doenças contagiosas à demonstração de sintomas ou angústias óbvios. Mas vale lembrar que a ausência de sintomas não significa que não há risco de infecção", complementa.

O vírus pode ser transmitido por pessoas que ainda não apresentam sintomas, de acordo com autoridades médicas. 

"É melhor ficarmos em casa e nos ajudarmos abraçando a tecnologia", disse Melissa Sorrentino, de Lynnfield, Massachusetts. Ela está organizando uma celebração virtual da Páscoa neste ano.

Veja, a seguir, algumas maneiras para celebrar as datas festivas e crias boas lembranças em meio ao caos. 

Fotos em família por aplicativo



Soluções tecnológicas compensarão a distância nas celebrações de muitas famílias. "Vamos baixar um aplicativo de bate-papo e se comunicar por vídeo durante a Páscoa", planeja Steven McCoy, jornalista e fundador da Spoken Entertainment de Newark, em Nova Jersey. "A Páscoa sempre foi grande em nossa família, então queríamos garantir que ainda a comemorássemos".

O plano da família McCoy é reunir-se através de um bate-papo por vídeo durante todo o dia e pintar ovos de Páscoa em uma webcam. Eles farão o que McCoy chamou de "caça aos ovos de quarentena de Páscoa", escondendo os ovos em locais alcançados pela câmera e dando a cada jogador três chances de adivinhar onde o ovo pode estar.

"A única saída é ter ideias alternativas. Eu vejo isso como uma comemoração de kit de primeiros socorros", disse McCoy. "Encontrar uma maneira de celebrar as festas com sua família é muito importante. [Estou] muito grato pela tecnologia!"

As famílias poderão até mesmo tirar fotos juntas, ainda que separadas. Sorrentino e sua família planejam imitar o projeto Front Steps, onde os fotógrafos (à distância) fazem retratos de famílias colocadas perto dos degraus da frente. Suas filhas montam um tripé para que ainda possam tirar uma foto de Páscoa em família, mesmo sem um fotógrafo.

"É uma maneira de se vestir, em vez de ficar de pijama o dia todo e ficar deprimido por não estar vendo a família", disse Sorrentino.

As atividades noturnas familiares são possíveis graças ao Zoom. Dessa forma, mesmo famílias grandes ainda podem jantar, tomar café e comer a sobremesa juntos; jogar charadas e outros jogos; e permitir que as crianças vejam seus primos.

"Mesmo que não possamos estar fisicamente próximos um do outro, ainda podemos estar juntos. Ainda podemos ter as mesmas conversas e desfrutar da companhia um do outro", disse Sorrentino.

Se você está preocupado com a falta de igreja no domingo de Páscoa, pode participar de um serviço online ou procurar um serviço de drive-in na sua área. Talvez participe de um concurso virtual de decoração de ovos.

Nos Estados Unidos, onde caças aos ovos na rua são brincadeiras comuns para as crianças, algumas pessoas estão organizando essas buscas em seus bairros. Parece contraditório às diretrizes de distanciamento social, mas funciona com famílias pendurando fotos de ovos de Páscoa na porta ou nas janelas da frente.

Os pais podem se revezar na caminhada de seus filhos para descobrir quais casas têm ovos. Os ovos terão um número ao lado deles, para que as crianças possam acompanhar quantas encontram, sem buscá-las.

Um adulto no bairro também pode organizar uma visita ao coelhinho da Páscoa respeitando o distanciamento social, vestindo uma fantasia e acenando para os pequenos de longe.

"Ambas as atividades parecem razoáveis ??e não apresentam riscos, desde que as pessoas mantenham um distanciamento adequado e as crianças não recolham os ovos diretamente", comentou o Dr. Daniel Kuritzkes, chefe da Divisão de Doenças Infecciosas do Hospital Brigham and Women, em Boston.

"As pessoas que foram diagnosticadas com a COVID-19 não devem participar, é fundamental que fiquem dentro de casa! Nem devem preparar ovos para se esconderem em seus gramados ou varandas, caso as crianças se apressem a buscá-las."

Pessach virtual

"Minha família e eu estamos desapontados por não podermos estar juntos na Páscoa de 2020, especialmente após tantas ausências ao longo do ano devido aos horários de trabalho de todos. A Páscoa significa muito para nós, pois é a celebração da ressurreição de Jesus Cristo", declarou Steven McCoy.

"No entanto, estamos muito agradecidos por todos estarem vivos e bem, pois planejamos superar essa pandemia juntos — mesmo que isso signifique que precisamos ser criativos durante nosso tempo separado".



Um sêder de Pessach virtual é o caminho a seguir este ano para os judeis, embora a cerimônia possa ser complicada por representar mais do que "apenas o jantar em família", como lembra Rachelle Feldman, de Princeton, Nova Jersey.

"O sêder é como nos lembramos de cada passo, e como deixamos o Egito, e como fomos levados a Israel e tudo o que está no meio dessa jornada", disse ela.

Normalmente, famílias e convidados se reúnem para o sêder. Este ano, Feldman celebrará a data neste ano via Zoom com seus familiares imediatos, todos em diferentes estados: o marido está na Flórida, enquanto a filha está em Nova York e o filho na Pensilvânia.

Feldman já encomendou alimentos simbólicos que são indispensáveis ??no prato do sêder: maror (ervas amargas) e chazeret (rábano e cebola); além de charoset; matzoh; e mais.

Para quem estiver com problemas para localizar os ingredientes para o sêder, existem listas de substituições aceitáveis.

Famílias que hospedam sêders  virtuais ainda podem organizar quem assumirá quais papéis, incluindo os leitores da Hagadá e quais crianças ou jovens adultos lerão as quatro perguntas.

Quando chega a hora de um pedaço de matzoh ser escondido e depois encontrado após a refeição, cada família pode fazê-lo em sua casa individual, disse Katie Bieber Ogg, de Brooklyn, Nova York. Ogg participará de um sêder virtual.

As famílias ainda podem contar histórias juntos, dizer bênçãos e cantar louvores durante o jantar. Realizar um sêder virtual é mais do que continuar uma tradição, disse Feldman.

"Não é apenas manter a normalidade em um momento em que as pessoas não têm", disse Feldman.
"É sustentar quem somos como povo, e isso é tão importante para nós, que reconhecemos o significado desse feriado em particular, que temos uma obrigação mais forte de mantê-lo, mantê-lo, compartilhá-lo e não esquecer".