‘Cor mais brilhante da Terra’ pode ser o futuro da arte ecologicamente correta

"Arte e ciência realmente se unem pela cor", disse o artista e cientista Andrew Parker

Foto: Divulgação/Royal Botanic Gardens Kew

Eva Rothenberg, da CNN

Ouvir notícia

Arte e ciência podem parecer dois opostos em um espectro. Um é criativo e interpretativo, o outro exato e empírico. Mas uma tecnologia emergente conhecida como Pure Structural Color (cor estrutural pura, em tradução literal) – apelidada de “a cor mais ousada e brilhante da Terra” em uma nova exposição – mostra como a interação entre as duas pode ser revolucionária para ambos.

A Pure Structural Color é produzida a partir de nanoestruturas – partículas minúsculas – que refletem e espalham a luz para replicar os tons mais brilhantes encontrados na natureza. Ela foi desenvolvida pelo Lifescaped, um laboratório e estúdio fundado pelo cientista e artista Andrew Parker. Este mês, as obras de arte que incorporam a tecnologia foram exibidas ao público pela primeira vez no ” Naturally Brilliant Colour”, uma exposição no Royal Botanic Gardens do Reino Unido em Londres.

A galeria em é escura, com paredes pretas acentuando as pinturas expressionistas do próprio Parker. Algumas foram inspiradas pela luz do sol e fenômenos como o Big Bang, enquanto outras imitam as cores e texturas das pétalas de flores e asas de borboletas.

Em outros lugares, os painéis com diferentes tons de cor estrutural pura “brilham como joias”, de acordo com Paul Denton, chefe de programas e exposições para visitantes do Kew Gardens. Também está em exibição uma pintura do artista Coral G. Guest, que usou a tecnologia. Há ainda exemplos de possíveis aplicações comerciais, de tênis Nike a óculos de sol e relógios.

Arte imita a vida 

O fascínio de Parker pelas cores encontradas na natureza começou enquanto estudava organismos marinhos na Austrália na década de 1990. “Se olharmos para as menores criaturas de recife de coral sob o microscópio, podemos ver as cores mais incríveis, muito mais brilhantes do que os pigmentos”, disse ele em entrevista por telefone. “E quando você olha para elas em microscópios eletrônicos, você pode ver as estruturas minúsculas que interagem com a luz para produzir essas cores.”

As cores vivas das criaturas costumam ser estruturais; elas são produzidas por estruturas celulares microscópicas que podem interagir com a luz para criar efeitos ópticos deslumbrantes. Normalmente, os artistas contam com combinações de pigmentos para retratar o mundo ao seu redor, mas usar a cor estrutural pura pode facilitar a reprodução de uma variedade de comprimentos de onda de cores, disse Parker.

“A cor é inteiramente formada na mente. Existem apenas ondas de radiação eletromagnética passando ao nosso redor, e nós as convertemos em cor”, disse Parker. “Arte e ciência realmente se unem pela cor. Aqui, estamos usando a física para manipular e refinar as nuances de cor que podemos produzir.”

Uma das maneiras pelas quais a Lifescaped desenvolveu o Pure Structural Color é na forma de minúsculos flocos transparentes. Eles podem ser misturados com um polímero biodegradável e formulações de tintas para produzir vários efeitos visuais, como cores intensamente brilhantes, cores que parecem mudar quando vistas em ângulos diferentes e cores que se combinam perfeitamente umas com as outras.

“Reproduzir as cores estruturais que encontramos na natureza é emocionante, porque aproveitamos os milhões de anos de evolução na produção de tecnologia quase perfeita em seu trabalho”, explicou Parker em um vídeo de introdução à exposição.

Vendo verde

Além de se inspirar no mundo natural, Pure Structural Color convida a consciência do meio ambiente de outra maneira: é menos prejudicial ao planeta do que a maioria dos corantes e pigmentos, de acordo com Parker.

Os acrílicos e as tintas a óleo disponíveis no mercado são feitos de pigmentos minúsculos. Para garantir que eles possam se espalhar uniformemente em uma determinada superfície, os fabricantes adicionam solventes químicos, resinas e outros aditivos que ajudam no processo de secagem.

Quando essas tintas secam, elas liberam compostos orgânicos voláteis, como benzeno, formaldeído e acetona. A Agência de Proteção Ambiental dos EUA reconhece tintas e vernizes como fontes de poluentes atmosféricos perigosos, como tolueno e cloreto de metileno. A exposição a curto e longo prazo a esses produtos químicos pode causar problemas de saúde como defeitos congênitos e câncer, de acordo com o CDC.

Além do impacto na saúde humana, algumas tintas disponíveis no mercado também são prejudiciais ao meio ambiente. Um estudo de 2014 encomendado pela Agência Ambiental Norueguesa descobriu que as partículas de tinta à base de plástico, que muitas vezes são aplicadas em cascos de navios, é a segunda maior fonte mundial de poluição microplástica.

Em contraste, flocos de cor estrutural pura se difundem naturalmente e se agrupam uniformemente nas superfícies e, portanto, não requerem produtos químicos adicionais, de acordo com Parker. As cores do Lifescaped são frequentemente produzidas usando dióxido de silício, um composto biodegradável encontrado organicamente na natureza.

Parker disse que as implicações ambientais da tecnologia são, potencialmente, uma mudança no jogo. Além de reduzir a dependência de tintas poluentes tóxicas, a capacidade das nanoestruturas de formar uma superfície contínua extremamente fina pode ajudar a reduzir as emissões de carbono.

“A tinta é leve, por isso se adapta bem a produtos comerciais”, disse ele. “Por exemplo, se você substituir as tintas usadas para cobrir um jato jumbo por uma cor estrutural, você estará economizando cerca de uma tonelada em peso, o que é bastante significativo para os custos de combustível.”

Embora a Pure Structural Color ainda não esteja disponível comercialmente, o laboratório Lifescaped está trabalhando com várias empresas para fabricar tintas para venda e espera ter algumas disponíveis “nos próximos 12 meses”, disse Parker.

A missão de Parker se estende além do potencial comercial da tecnologia, no entanto. O cientista e artista disse que deseja que os visitantes saiam da exposição pensando de forma mais crítica sobre o poder da natureza e o quanto os humanos podem aprender com ela.

“A natureza tem muito valor e precisamos fazer mais para protegê-la”, disse Parker. “Há tantas outras coisas que podemos aprender olhando para a natureza. Com um pouco mais de esforço, podemos chegar a soluções muito mais sustentáveis no futuro.”

(Esta matéria foi traduzida. Clique aqui para ler a versão original)

Tópicos

Mais Recentes da CNN