Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    De onde vem o preconceito e como a sociedade luta para combatê-lo

    Escritor Leandro Karnal aborda os diferentes tipos de discriminação existentes; programa vai ao ar aos sábados, às 23h, na CNN

    Ingrid Oliveirada CNN

    Ouvir notícia

    Sete em cada dez crimes de ódio são motivados por preconceito racial no Brasil. Cerca de 14% têm origem na homofobia e na transfobia, que é o preconceito referente à orientação sexual.

    Um estudo do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e do Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) apontou que das quase 35 mil mortes de jovens entre 2016 e 2020 no país, 80% eram de negros.

    São diversas as faces do preconceito: questões de gênero, misoginia, xenofobia, entre outras.

    Para falar sobre racismo, xenofobia, capacitismo e outros tipos de preconceito, o programa liderado por Leandro Karnal traz diferentes personalidades que já foram alvos de ações discriminatórias.

    Karnal foi a um restaurante de comida africana na Zona Leste de São Paulo. O chef Sam, enquanto cozinha pratos típicos do continente africano, conversa sobre os vários preconceitos sofridos por imigrantes negros no Brasil.

    A influencer digital conhecida como Pequena Lo fala sobre o capacitismo e como combatê-lo. Ela foi diagnosticada com displasia óssea, uma síndrome rara.

    “As pessoas usam isso para me atacar como capacitismo e preconceito”, diz ela.

    Em uma sociedade em que a magreza é vista como ideal de beleza a ser alcançado, um tipo específico de preconceito se alastra: a gordofobia.

    Agnes Arruda, doutora em comunicação social, professora e pesquisadora, defende que usar o termo “gordofobia” é uma forma de legitimar que o preconceito contra pessoas gordas existe, e não “lipofobia”, que cria uma sensação de mascarar algo que teoricamente não deveria ser falado.

    Outro grupo que também sobre discriminação é a comunidade LGBTQIA+. De acordo com um levantamento do “Observatório de Mortes e Violências contra LGBTI+”, pelo menos 316 pessoas LGBTI+ morreram em 2021.

    No Brasil, a criminalização da violência motivada pela orientação sexual ou identidade de gênero da vítima foi aprovada em 2019. Desde então, a LGBTfobia é enquadrada como crime de racismo – nos moldes da Lei nº 7.716/89.

    Para acompanhar na íntegra as entrevistas, assista ao Universo Karnal. O programa é exibido todos os sábados, às 23h na CNN e nas plataformas digitais.

    Mais Recentes da CNN