Expo Dubai: Pavilhão dos Emirados Árabes é coberto por ‘asas de falcão’

A estrutura de quatro andares é coberta com 28 asas de fibra de carbono que podem se abrir totalmente em cerca de três minutos para revelar painéis solares embutidos

Pavilhão dos Emirados Árabes Unidos na Expo Dubai
Pavilhão dos Emirados Árabes Unidos na Expo Dubai Divulgação

Jacopo Priscoda CNN

Ouvir notícia

Situado no centro do local da World Expo em Dubai, o pavilhão do país anfitrião, os Emirados Árabes Unidos (EAU), exibe um dos designs mais atraentes em um evento repleto de maravilhas arquitetônicas.

A estrutura de quatro andares é coberta com 28 asas de fibra de carbono que podem se abrir totalmente em cerca de três minutos para revelar os painéis solares embutidos.

Quando não estão em uso, os painéis permanecem protegidos das intempéries, incluindo as poderosas tempestades de areia da região.

“A estrutura conceitual foi inspirada na graça e na força de um falcão, a ave nacional dos Emirados Árabes Unidos”, disse o famoso arquiteto suíço-espanhol Santiago Calatrava, que projetou o pavilhão. As asas podem se posicionar entre 110 e 125 graus, para melhor absorver a luz solar, e a eletricidade que produzem é enviada para a rede elétrica principal.

Devido ao grande tamanho e peso das asas, elas se abrem com a força de até três cilindros hidráulicos, que devem ser sincronizados com precisão para evitar movimentos desiguais que podem rachar a estrutura da própria asa. Calatrava diz que esse aspecto da engenharia do telhado exigia muita atenção.

Pavilhão dos Emirados Árabes Unidos na Expo Dubai, projetado por Santiago Calatrava / Divulgação

‘Um ambiente fresco e tranquilo’

Com uma área total de 161.000 pés quadrados (14,9 mil metros quadrados), este é o maior de todos os pavilhões da Expo nacional, e está rodeado por todos os lados por áreas ajardinadas com plantas. O edifício em si tem o formato de uma tenda beduína tradicional, centralizado em torno de um auditório esférico com uma grande clarabóia diretamente acima dele.

“Como a Expo 2020 é sediada em uma região muito quente, foi importante criar um ambiente fresco e tranquilo para oferecer aos visitantes uma pausa do sol”, explica Calatrava. “Conseguimos fazer isso incorporando grandes piscinas de água e árvores que naturalmente resfriam o ar, criando sombra e reduzindo o calor refletido, tornando este espaço um refúgio submerso da exposição direta às condições climáticas extremas.”

Pavilhão dos Emirados Árabes Unidos na Expo Dubai / Divulgação

No interior, os visitantes podem experimentar seis instalações interativas, cada uma representando um capítulo da história da nação.

Um deles, chamado Crossroads, é baseado em cerca de 700 objetos físicos historicamente comercializados no Oriente Médio, como “mangas e piões, grãos de café e bússolas, frascos de perfume e pérolas”, e tem como objetivo destacar a posição geográfica dos Emirados Árabes Unidos – uma encruzilhada de rotas comerciais históricas que remontam a milhares de anos.

Calatrava diz que os princípios norteadores que informaram o projeto do pavilhão e a experiência estão em consonância com os temas de sustentabilidade e conectividade da Expo. “Eu queria que os visitantes tivessem a oportunidade de explorar a rica história da região”, diz ele, bem como suas inovações atuais e perspectivas futuras.

Como vários outros pavilhões, este será reaproveitado para usos culturais assim que o evento for concluído em março de 2022, e recebeu a certificação LEED Platinum – a classificação mais alta no sistema de classificação mais usado no mundo para edifícios verdes. Calatrava vê o evento como uma oportunidade para arquitetos defenderem novas soluções para desafios globais. “Nós, junto com os arquitetos de toda a exposição, estamos mostrando ao mundo que podemos construir de forma sustentável”, diz ele.

“Em certo sentido, também estamos exibindo nosso trabalho para que outros reproduzam, à medida que continuamos a construir para o futuro.”

Texto traduzido. Leia o original em inglês.

Mais Recentes da CNN