Embaixador e senador da comitiva de Bolsonaro dão positivo para coronavírus


Guilherme Venaglia e André Spigariol Da CNN Brasil, em São Paulo e Brasília
13 de março de 2020 às 23:57 | Atualizado 14 de março de 2020 às 16:52
O senador Nelsinho Trad

O senador Nelsinho Trad (PSD-MS)

Foto: Agência Senado/Divulgação

O diplomata Nestor Forster Filho, embaixador do Brasil em Washington, e o senador Nelsinho Trad (PSD-MS), receberam nesta sexta-feira (13) o resultado positivo no exame para coronavírus. Ambos estavam no jantar entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o americano Donald Trump, no último final de semana.

"Seguindo aconselhamento médico, o embaixador Forster irá estender a sua autoquarentana, a qual já havia se imposto como medida de precaucação, por outras duas semanas", afirmou a embaixada brasileira, em comunicado divulgado nas redes sociais.

Em nota enviada à imprensa, o senador Nelsinho Trad afirmou ter se submetido ao teste para o Covid-19 depois que o secretário de Comunicação Social da Presidência da República, Fabio Wajngarten, recebeu o resultado positivo. Trad, que estava na comitiva como representante do Senado, e Wajngarten retornaram ao Brasil no mesmo vôo.

"Serenamente, com fé em Deus, e atendendo todas as orientações dos profissionais de saúde envolvidos nesse enfrentamento, estou em casa com a minha família, guardando o período de isolamento. Não há de se agravar", disse o senador, por meio de nota enviada à imprensa.

Bolsonaro testou negativo

Coronavírus: Bolsonaro e Mandetta usam máscaras em live no Facebook

Coronavírus: Bolsonaro e Mandetta usam máscaras em live no Facebook

Foto: Reprodução/Facebook Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro também se submeteu ao teste para o novo coronavírus. Por meio das redes sociais, Bolsonaro afirmou que o resultado foi negativo. Apesar disso, o fato de o presidente ter mantido intenso contato com o secretário Fabio Wajngarten fez com que ele fosse submetido a um novo exame e permaneça em isolamento.

A medida é justificada por auxiliares próximos ao presidente para que seja descartada qualquer possibilidade de algum deles ter contraído o vírus. A maioria voltou de viagem no mesmo avião de Wajngarten. O voo entre Miami e Brasília durou cerca de nove horas. O presidente, porém, estava em uma ala separada da aeronave, sem contato direto com o secretário.

Casos no Brasil

Em atualização divulgada nesta sexta, o Ministério da Saúde afirmou que o número de casos registrados no Brasil subiu para 98. Na quinta-feira, o registro oficial era de 77 casos.

O estado com o maior número de registros é São Paulo, onde 56 pessoas foram infectadas, seguido pelo Rio de Janeiro, com 16.

Nos dois estados, há registro de transmissão comunitária, que é quando são registrados casos sem origem evidente, como viagem do paciente ou pessoa com quem este teve contato para o exterior. Segundo o Ministério, ainda há 1.485 casos sob investigação no país.

Apesar do registro de transmissão local, o Ministério da Saúde continua recomendando uma atenção especial às viagens internacionais. Segundo a pasta, é recomendável que todos os que retornem de viagens ao exterior, seja qual for o país de origem, permaneçam em casa por um período de sete dias.

Outra recomendação do governo federal é que organizadores optem por cancelar ou adiar eventos com grande volume de público previsto. Bufês de comida no estilo self-service devem ser eliminados e se acontecerem, que sejam em locais abertos e sem a presença de doentes. A intenção é reduzir a velocidade de transmissão da doença e manter o serviço de saúde ativo