Trump gera mal-estar ao usar termo 'vírus chinês' para se referir ao coronavírus


Da CNN Brasil, em São Paulo
17 de março de 2020 às 05:09 | Atualizado 17 de março de 2020 às 05:13
O presidente dos EUA, Donald Trump, anuncia medidas de combate ao coronavírus

O presidente dos EUA, Donald Trump

Foto: Leah Millis - 16.mar.2020/Reuters

Em tuíte publicado em sua conta oficial na noite da segunda-feira (16), o presidente americano Donald Trump usou o termo "vírus chinês" para se referir ao novo coronavírus (COVID-19). A expressão repercutiu entre autoridades chinesas, que lamentaram a postura.

"Os Estados Unidos vão apoiar fortamente as indústrias, como aéreas e outras, que foram particularmente atingidas pelo 'vírus chinês'. Vamos ser mais fortes do que jamais antes", escreveu Trump em seu Twitter.

Horas depois da publicação, Geng Shuang, porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores, declarou que a escolha de palavras de Trump "mancha" a relação entre Washington e Pequim. 

Considerado uma pandemia  — ou seja, uma efermidade amplamenta disseminada em diferentes regiões do planeta  — o novo coronavírus teve os primeiros registros originários na cidade chinesa de Wuhan, antes de se espalhar por outros países.

No início de março, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, já havia sido recriminado por autoridades chinesas ao utilizar o termo "coronavírus de Wuhan" para se referir à doença.  

China’s foreign ministry on Monday objected to the expression “Wuhan coronavirus” — saying the name will “stigmatize” the country — following remarks from U.S. Secretary of State Mike Pompeo.

“Apesar do fato de a Organização Mundial da Saúde (OMS) nomear oficialmente esse novo tipo de coronavírus, um político americano, desrespeitando a ciência, aproveitou a primeira chance para estigmatizar a China e a cidade de Wuhan. Condenamos essa prática desprezível", disse o porta-voz Geng Shuang na época.

China e Estados Unidos acumulam tensões diplomáticas e comerciais recentes.