Tulsi Gabbard encerra campanha pela Casa Branca e apoia Joe Biden


Jessica Estepa, Gregory Krieg e Dan Merica, da CNN
19 de março de 2020 às 13:53 | Atualizado 19 de março de 2020 às 14:13
Tulsi Gabbard

A congressista do Havaí e pré-candidata democrata à presidência dos Estados Unidos, Tulsi Gabbard

Foto: Brendan McDermid/Reuters (19.mar.2020)

A congressista do Havaí, Tulsi Gabbard, anunciou nesta quinta (19) o fim de sua campanha pela indicação democrata à presidência dos EUA e o apoio ao ex-vice-presidente Joe Biden.

Ela só havia conquistado o apoio de dois delegados até agora. O número mínimo para conseguir a nomeação é 1.991. Com a desistência, restam dois candidatos na disputa: Biden e o senador do estado de Vermont, Bernie Sanders.

Leia também:

Perfil: Biden, a escolha segura do centro democrata contra Trump

Perfil: socialista, Sanders desafia establishment democrata

Biden x Sanders: conheça as propostas dos candidatos democratas

"Eu conheço o vice-presidente Biden e sua esposa, e sou grata por ter chamado o filho deles Beau, que também serviu à Guarda Nacional, de amigo", disse Gabbard em nota. "Apesar de eu não concordar com o vice-presidente em todos os assuntos, eu sei que ele tem um bom coração e é motivado pelo amor que sente por nosso país e pelo povo americano".

A deputada disse que os resultados das primárias desta terça (16), quando Biden levou as corridas nos estados do Arizona, Flórida e Illinois, deixaram claro que os eleitores escolheram Biden para enfrentar o presidente Donald Trump nas eleições gerais, em novembro. Gabbard apoiou o senador de Vermont, Bernie Sanders, em 2016.

Ela também apontou a pandemia do novo coronavírus como motivo para abandonar a disputa, e disse que os americanos e a comunidade global devem trabalhar juntos para combater a doença.

"Eu sinto que a maneira que posso ser mais útil neste momento é continuando a trabalhar pela saúde e bem-estar das pessoas do Havaí e do nosso país no Congresso, e ficar pronta para servir na Guarda Nacional do Havaí, se for ativada", disse.

A campanha de Tulsi

Gabbard lançou sua campanha à Casa Branca em janeiro de 2019. No entanto, a gerente de sua campanha descobriu o anúncio ao vivo pela CNN, quando um repórter ligou para pedir um comentário.

Os problemas se acumularam a partir dali, com Gabbard nunca conseguindo ganhar vantagem na esquerda progressista do partido Democrata, que ficou ao lado de Sanders. Em outrubro, Gabbard anunciou que não iria concorrer a outro mandato como congressista do Havaí, deixando seu futuro político em aberto após as eleições de 2020.

Uma veterana da Guerra do Iraque, Gabbard era considerada como estrela em ascensão no partido democrata antes das primárias de 2016, quando saiu de seu cargo como vice-presidente do comitê nacional democrata para apoiar Bernie Sanders. Durante a campanha atual, ela criticou duramente o partido, acusando-o de incitar guerras e prometendo que retiraria os EUA de vários conflitos internacionais.

Apesar de nunca chegar perto dos favoritos da corrida, a congressista havaiana atraiu a ira de Hillary Clinton, que sugeriu, em outubro de 2019, sem citar nomes ou evidência, que Gabbard era "um fantoche dos russos".

"Não estou fazendo nenhuma previsão, mas eu acho que eles [os russos] estão de olho em alguém que está atualmente nas primárias democratas e estão a preparando para ser uma candidata independente", disse Clinton em um podcast. "Ela é a favorita dos russos".

Gabbard, que disse repetidamente que não seria candidata à presidência fora do partido democrata, entrou com um processo de difamação contra Clinton em janeiro, alegando que a ex-secretária de Estado mentiu sobre suas supostas ligações com o governo russo.

Os apoios a Joe Biden

Joe Biden discursa em Detroit, Michigan

Joe Biden discursa em Detroit, Michingan, em comício das primárias democratas

Foto: Brendan McDermid - 10.mar.2020/ REUTERS

Com o anúncio, Gabbard se junta a uma lista de ex-pré-candidatos que aprovam a nomeação de Joe Biden. 

Antes dela, já haviam declarado apoio ao ex-vice-presidente a senadora Amy Klobuchar, o senador Cory Booker, o ex-prefeito de Nova York Michael Bloomberg, o ex-prefeito de South Bend, Indiana, Pete Buttigieg e o empresário Andrew Yang.

A senadora Elizabeth Warren não declarou preferência a nenhum candidato até o momento.