Pompeo: EUA deixaram claro que Maduro jamais governará a Venezuela novamente

Secretário de Estado norte-americano reiterou, em entrevista coletiva, o apoio do país ao líder opositor venezuelano Juan Guaidó

Da CNN, em São Paulo
31 de março de 2020 às 12:38 | Atualizado 31 de março de 2020 às 14:23
Mike Pompeo, secretário de Estado dos EUA, durante entrevista coletiva em Washington
Foto: Andrew Caballero-Reynolds-25.mar/Reuters

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, disse que, com as ações recentes, os Estados Unidos deixaram claro que o presidente Nicolás Maduro jamais governará a Venezuela novamente.

Durante entrevista coletiva nesta terça-feira (31) em Washington, ele afirmou que os EUA esperam que as eleições presidenciais e da Assembleia Nacional possam ser realizadas dentro de 6 a 12 meses, graças às determinações impostas à Venezuela.

Além disso, o chefe da diplomacia norte-americana ressaltou que se o país atender às condições solicitadas, os Estados Unidos suspenderão todas as sanções impostas ao território venezuelano. Para isso, o líder opositor venezuelano Juan Guaidó e Maduro devem sair de cena e permitir um governo de transição composto por membros do governo e da oposição, até que sejam realizadas novas eleições.

O objetivo dos EUA é recuperar a democracia na Venezuela, a partir do reconhecimento de um líder do governo de transição como única autoridade do poder Executivo do país, o qual não poderá se candidatar às eleições presidenciais, de acordo com a proposta do governo norte-americano.

Segundo Pompeo, se a Venezuela cumprir esses termos, e tiver o processo eleitoral validado por organismos internacionais, as sanções serão suspensas.

Leia também: 

Recompensa oferecida por EUA sobre Maduro não é habitual, diz diplomata

Indiciamento de Maduro nos EUA é bem recebido pelo governo brasileiro

O secretário de Estado afirmou que o plano foi discutido com Guaidó, a quem Washington segue apoiando e o reconhece como presidente interino da Venezuela. Pompeo acrescentou que os EUA esperam que Guaidó vença a próxima eleição presidencial.

Em sua conta no Twitter, Guaidó disse que conversou com Pompeo para agradecer o apoio e pediu a Maduro que aceite "a oferta feita pela comunidade internacional".

Até o momento, o governo de Maduro não se pronunciou sobre o assunto.

Coronavírus

Sobre a pandemia do novo coronavírus, Pompeo elogiou os “esforços diplomáticos” para retirar os norte-americanos que estavam em outros países e levá-los de volta aos EUA, acrescentando que foi "uma das missões mais importantes da Secretaria de Estado".

Mesmo assim, ele disse que “os EUA não podem garantir voos do tipo charter indefinidamente a norte-americanos que estejam abandonados em locais onde linhas aéreas comerciais não estão operando”.

(Com Reuters)