China chama de "interferência externa" posição de Brasil e EUA sobre Venezuela

Governo brasileiro apoia Quadro de Transição Democrática para a Venezuela, apresentado na semana passada pelos Estados Unidos 

André Spigariol Da CNN, em Brasília
10 de abril de 2020 às 17:22
Militar brasileiro observa venezuelanos que entram no país por Pacaraima, em Roraima
Foto: Nacho Doce - 19.ago.2018/ Reuters

O porta-voz da Embaixada da China no Brasil, Qu Yuhui, disse nesta sexta-feira (10) que Pequim “não vê com bons olhos a interferência externa nos assuntos estritamente internos da Venezuela”. A declaração foi dada em videoconferência com jornalistas após ser questionado pela CNN sobre o apoio do governo brasileiro ao Quadro de Transição Democrática para a Venezuela, apresentado na semana passada pelo governo dos Estados Unidos. 

“A nossa posição sobre a Venezuela é diferente da dos Estados Unidos. Temos que respeitar a escolha autônoma do povo venezuelano”, disse o ministro-conselheiro. “Temos que deixar o povo venezuelano fazer suas próprias escolhas com relação ao momento que atravessam agora. Não podemos politizar esse momento”, acrescentou. 

A China é uma das principais parceiras do governo de Nicolás Maduro no âmbito político e econômico. O país não reconhece a autoridade de Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional. No final de fevereiro, Pequim anunciou que manteria relações comerciais com a Venezuela apesar das sanções aplicadas pelos Estados Unidos contra o governo Maduro.

Além do apoio chinês, o governo chavista conta com o suporte da Rússia nas arenas comercial e política.