OMS lamenta decisão de Trump de suspender financiamento a entidade

Tedros Adhanom afirmou que medida prejudica o trabalho da OMS não somente no combate à pandemia do novo coronavírus, mas também na luta contra outras doenças

Da CNN, em São Paulo
15 de abril de 2020 às 12:44 | Atualizado 15 de abril de 2020 às 13:04
Tedros Adhanom, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde
Foto: Denis Balibouse - 28.fev.2020/ Reuters

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, disse que lamenta a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de suspender o financiamento à agência.

“Os EUA têm sido um amigo generoso e de longa data da OMS, e esperamos que continue a ser”, afirmou ele. “Lamentamos a decisão do presidente dos EUA de suspender os recursos à OMS."

Adhanom declarou que a medida prejudica o trabalho da OMS não somente no combate à pandemia do novo coronavírus, mas também na luta contra outras doenças, como tuberculose, câncer, desnutrição, malária, ebola, HIV e sarampo em países pobres e vulneráveis.

Assista e leia também:

Rússia diz que foi egoísta decisão de Trump por suspender financiamento à OMS

Com pagamentos em atraso, Brasil deve US$ 32,4 milhões à OMS

Após Trump suspender financiamento, ONU pede apoio à OMS durante pandemia

Com isso, o diretor-geral disse que está revisando o impacto da retirada do financiamento norte-americano no trabalho da OMS. “Vamos trabalhar com parceiros para preencher qualquer lacuna”, afirmou.

"Nosso comprometimento com a saúde pública, a ciência e o serviço a todas as pessoas do mundo sem medo ou favor permanece absoluto", disse ele. "Neste momento, nosso foco é parar a pandemia e salvar vidas."

Adhanom voltou a falar sobre a gravidade da COVID-19, afirmando que ela não faz distinção entre países, etnias, classes sociais ou ideologias. Ele pediu solidariedade global e agradeceu o apoio de diversas nações, organizações e indivíduos, e o comprometimento financeiro deles com a organização.

“Quando estamos divididos, o vírus explora as rachaduras entre nós”, disse ele. “Este é o momento para nos unirmos em uma luta comum contra uma ameaça, um inimigo perigoso.”

O diretor-geral também afirmou que a OMS segue trabalhando com parceiros em todo o mundo para acelerar as pesquisas em busca de uma vacina para o novo coronavírus.