Crianças recebem máscaras de proteção para sair de casa na Espanha


Da CNN, em São Paulo
25 de abril de 2020 às 09:43
Crianças recebem máscara de proteção contra COVID-19 na Espanha

Marta Hernández (D) abre pacote de máscara de proteção recebida para os filhos usarem contra o novo coronavírus

Foto: Reprodução/ Reuters

A prefeitura de Pineda de Mar, na Espanha, começou a distribuir máscaras faciais para proteger crianças do novo coronavírus enquanto o país se prepara para diminuir as restrições de movimentação para os jovens, que terão permissão para sair de casa a partir de domingo (26).

A iniciativa tomada pelo governo desta cidade na província de Barcelona envolve mais de 100 voluntários que produzem máscaras e outros equipamentos de proteção, disse o prefeito de Pineda de Mar, Xavier Amor.

"No conselho da cidade [equivalente à Câmara dos Vereadores], juntamente com um grupo de voluntários de nosso município, estamos fazendo máscaras para crianças, para que elas possam sair", disse Amor.

O objetivo é fabricar 8.000 máscaras e distribuir duas para cada criança. Várias empresas em Pineda de Mar estão colaborando e fornecendo materiais.

Assista e leia também:

Espanha vai deixar crianças saírem de casa e cogita afrouxar isolamento em maio

CNN Mundo: os desafios da Espanha em tempos de pandemia

"Sinto-me super orgulhosa, muito feliz porque recebo muita gratidão das pessoas que me conhecem", disse Fina Aguilera, uma das voluntárias. Ela, que normalmente trabalha como faxineira, está impedida de realizar seu trabalho regular devido ao bloqueio contra a COVID-19.

O governo espanhol tomou algumas medidas para relaxar o bloqueio no país, como permitir o retorno ao trabalho de funcionários da construção civil e deixar crianças passear fora de casa a partir deste fim de semana. As restrições mais amplas, no entanto, não serão atenuadas até o final de maio.

Na Catalunha, a segunda região mais atingida da Espanha, o líder separatista do governo regional, Quim Torra, criticou o tratamento da epidemia pelo governo central, dizendo que teria funcionado melhor "sem imposições". (Com informações da Reuters)