Mulher de 101 anos, que nasceu durante a gripe espanhola, vence o coronavírus


Mallory Hughes, da CNN
28 de abril de 2020 às 23:56
Angelina Friedman sobreviveu à gripe espanhola e ao coronavírus

Angelina Friedman sobreviveu à gripe espanhola e ao coronavírus

Foto: North Westchester Restorative Therapy

Angelina Friedman sobreviveu ao câncer, abortos, sangramentos internos, sepse e agora não uma, mas duas pandemias. Mais de 100 anos após viver a gripe espanhola, a mulher de 101 anos acaba de vencer o coronavírus. 

Amy Elba, administradora de um asilo onde Angelina vive, em Mohegan Lake (Nova York), disse que a idosa já está de volta ao jeito de sempre, celebrando a vida como se nada tivesse acontecido. 

“Isso também mostra quanto o mundo precisa da esperança de que você pode vencer isso [a doença] aos 101 anos”, disse Elba à CNN

A filha de Angelina, Joanne Merola, afirmou à WPIX, afiliada da CNN, que a mãe é uma sobrevivente. “Ela e o meu pai tiveram câncer ao mesmo tempo. Ela sobreviveu, ele não”, disse. 

Assista e leia também:

Pfizer diz que vacina para COVID-19 pode estar pronta no final de 2020

Ventilador pulmonar criado por engenheiros da USP é aprovado nos testes finais

Farmácias vão poder fazer testes rápidos para diagnosticar COVID-19

Nascida como Angelina Sciales em 1918, a idosa veio ao mundo em um navio que estava transportando imigrantes da Itália para Nova York, em meio à pandemia da gripe espanhola. Não se acredita que o bebê tenha contraído a doença. 

A mãe dela morreu no parto, e suas duas irmãs a ajudaram a sobreviver enquanto viviam no Brooklyn, até elas conseguirem se reunir com o pai em Nova York, segundo Merola afirmou à WPIX. 

Dos 11 filhos de seus pais, Angelina Friedman é a última sobrevivente. “Ela não é humana”, brinca Merola. “Ela tem DNA do Superman." 

Coronavírus

Moradora hoje do North Westchester, casa de terapia e enfermagem, a idosa enfrentou recentemente a nova pandemia. “Ela tinha ido ao hospital para um procedimento e, quando voltou, havia testado positivo”, conta Amy Elba.

A filha contou que a mãe foi mantida isolada em seu quarto e enfrentou uma febre intermitente durante algumas semanas. Até que, em 20 de abril, testou negativo para a COVID-19.

Enfermeiros telefonaram para Joanne Merola e disseram que Angelina estava indo muito bem. Ela estava comendo normalmente de novo e procurando linha para poder fazer crochê. 

“Ela é uma agitadora”, brinca Elba. “Ela é uma grande costureira e faz todo tipo de coisas, que dá para os visitantes.”  

Angelina Friedman sobreviveu à gripe espanhola e ao coronavírus

Angelina Friedman sobreviveu à gripe espanhola e ao coronavírus

Foto: North Westchester Restorative Therapy

Os funcionários deram uma grande festa de aniversário para os 101 anos de Angelina, no ano passado, quando ela foi coroada a rainha do baile.

“Ela é super ativa, você não conseguiria dizer que ela tem a idade que tem”, disse a administradora do asilo. “Ela continua a fazer as atividades de lazer que provavelmente ela faz desde sempre”. 

Assim como outros locais, o asilo onde a idosa está precisou preparar meios alternativos para que os pacientes pudessem se manter em contato com as suas famílias. 

Merola não consegue visitar a mãe desde fevereiro devido a uma lesão nas costas, mas ela não vive longe de casa. Como a mãe é quase surda, elas não conseguem conversar pelo telefone. 

Com a temporada do baile se aproximando, Elba disse que, mesmo que as escolas não consigam realizar as festas dançantes, a idosa certamente terá a dela –e espera que seja escolhida rainha do baile pelo segundo ano consecutivo.