Por telefone, Pompeo e Araújo conversam sobre COVID-19 e Venezuela

O ministro das Relações Exteriores conversou com Mike Pompeo, secretário de Estado dos Estados Unidos; auxiliares do ministro brasileiro não sabiam da ligação

Núria Saldanha e André Spigariol Da CNN, em Washington e em Brasília
29 de abril de 2020 às 17:13 | Atualizado 29 de abril de 2020 às 22:38
O ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo em audiência pública na Câmara (27.nov.2019)
Foto: José Cruz/Agência Brasil


O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, conversou nesta quarta-feira (29) por telefone com Mike Pompeo, secretário de Estado dos Estados Unidos. Em ligação de cerca de meia hora, a CNN apurou que os chanceleres trataram de assuntos referentes à pandemia do novo coronavírus e à crise na Venezuela. 

Inicialmente, as agendas oficiais dos ministros não previam o compromisso bilateral, que foi inserido posteriormente no calendário de Ernesto Araújo. A CNN apurou que auxiliares imediatos do ministro brasileiro para assuntos relacionados aos Estados Unidos não ficaram sabendo de antemão da ligação e não acompanharam o conteúdo da conversa. 

Segundo nota do Departamento de Estado dos EUA, Pompeo e Araújo conversaram sobre a "importância de uma resposta coordenada à COVID-19" por meio do crescimento na produção de insumos médicos nas Américas e pela cooperação no desenvolvimento de tratamentos e vacinas. Parcerias econômicas e de segurança também estiveram em pauta, de acordo com o comunicado, assim como o plano de transição democrática para a Venezuela.

Também na manhã desta quarta-feira, o embaixador Todd Chapman, representante da Casa Branca no Brasil, recebeu em sua casa o embaixador Otávio Brandelli, secretário-geral do Itamaraty. Os dois tomaram café da manhã e conversaram sobre a relação entre Brasil e Estados Unidos. 

“Nesta manhã, eu estava ao telefone falando sobre o nosso trabalho com países do mundo inteiro sobre a Venezuela”, disse Pompeo nesta quarta, em coletiva de imprensa. “Na Venezuela, tenho o prazer de informar que o esforço multilateral para restaurar a democracia continua a ganhar impulso. Pedi à minha equipe que atualizasse nossos planos de reabrir a Embaixada dos EUA em Caracas. Assim que Maduro se afastar, estou confiante de que vamos erguer a bandeira novamente em Caracas”, relatou o chanceler americano.

Em março, o Departamento de Estado apresentou um plano de transição para a crise na Venezuela, apoiado pelo Brasil. O documento prevê a renúncia concomitante de Nicolás Maduro e Juan Guaidó à presidência do país, com o estabelecimento de um governo provisório composto por chavismo e oposição e a convocação de eleições. 

Cancelamento de voos

Na tarde de ontem, o presidente Donald Trump disse que acompanha com atenção a evolução do novo coronavírus no Brasil e que, por conta da doença, avalia suspender voos entre os dois países. O assunto foi tratado entre o mandatário norte-americano e o governador Ron DeSantis, da Flórida, estado que tem muitos negócios com empresários brasileiros.