Plano do Reino Unido de aliviar lockdown deixa população confusa

Informações relacionadas à volta ao trabalho e à quarentena para estrangeiros divergem entre o que é dito pelo premiê e o secretário das Relações Exteriores

Max Ramsay, Ivana Kottasova e Sarah Dean, da CNN
11 de maio de 2020 às 11:34 | Atualizado 11 de maio de 2020 às 13:35

O plano do governo do Reino Unido de aliviar o lockdown implementado no país por causa da pandemia do novo coronavírus recebeu muitas críticas por sua falta de clareza, e levou à divulgação de um documento detalhando as medidas.

O primeiro-ministro Boris Johnson anunciou no domingo (10) um novo slogan de “Fiquem alertas” e um cronograma de reabertura do país. Ele afirmou que algumas pessoas poderiam voltar ao trabalho imediatamente e os exercícios físicos estavam liberados para todos.

Contudo, nesta segunda-feira (11), o secretário de Relações Exteriores do Reino Unido, Dominic Raab, divergiu do premiê em vários pontos do anúncio durante uma entrevista à emissora BBC.

Johnson anunciou que, na Inglaterra, a mensagem mudaria de “Fiquem em casa” para “Fiquem alertas”, deixando o território em desacordo com os outros três países membros do Reino Unido.

Assista e leia também:
Reino Unido ultrapassa 30 mil mortes por COVID-19
Reino Unido ultrapassa Itália e se torna 2º país com mais mortos pela COVID-19
Reino Unido vai testar em ilha novo sistema de rastreamento de coronavírus

País de Gales, Escócia e Irlanda do Norte ampliaram o período de lockdown, que agora vai até o dia 28 de maio. Funcionários dos governos dos três países disseram que não houve qualquer coordenação entre eles e Londres sobre a nova diretriz. Além disso, eles afirmaram que continuariam a disseminar a mensagem “Fiquem em casa” à população.

Volta ao trabalho

O premiê declarou que aqueles que não puderem trabalhar de casa, incluindo os do setor de construção e industrial, podem voltar ao trabalho nesta segunda. Ele também pediu a esses funcionários que evitem o transporte público, se possível.

Mas o secretário Raab contradisse essa informação, declarando à BBC que os trabalhadores devem voltar aos seus postos somente na quarta-feira (13). 

Ele se recusou a responder se os funcionários poderiam deixar o local de trabalho se o considerarem inseguro. “Os patrões têm o dever de fornecer condições de segurança em relação à Covid-19”, disse Raab. 

O líder de um dos maiores sindicatos do Reino Unido afirmou à BBC nesta segunda que “milhões de pessoas” ficariam “estupefatas” com o plano do governo.

Quarentena para estrangeiros

Os turistas que entrarem no Reino Unido ficarão 14 dias em quarentena, segundo o anúncio de Johnson. Mas não está claro quando essa medida será colocada em prática, e ela não se aplicará às pessoas que chegarem da França.

Raab não soube dizer quando a determinação entrará em vigor e ainda não se sabe se as restrições se aplicarão apenas às viagens de avião.

Transporte em Londres

Apesar da contradição nas informações do anúncio de Johnson, a rede de transportes da capital britânica lançou nesta segunda uma campanha para alertar a população e “ajudar Londres a viajar de forma segura e sustentável”.

O sistema que opera o metrô da capital pede aos passageiros que usem máscaras de proteção, trafeguem fora do horário de pico e lavem as mãos antes e depois de utilizarem o transporte.

Um dia depois, esclarecimentos

Um dia após o anúncio de Johnson, o governo lançou um documento com mais detalhes sobre o assunto, informando a respeito de um plano de recuperação do país em três etapas.

Na primeira fase, que começará nesta quarta, as pessoas poderão sair de casa para momentos de lazer com a família ou outra pessoa. Na segunda fase, que começará no dia 1º de junho, os comércios considerados não essenciais poderão reabrir, desde que façam cumprir as regras de distanciamento social, e os colégios poderão receber os alunos.

Na terceira fase, dependendo de quanto as outras etapas terão impactado na taxa de infecção da doença no país, o governo britânico poderá permitir que mais comércios e empresas reabram a partir de 4 de julho.

“O cronograma preciso para esses ajustes dependerá do risco de infecção em cada momento e da eficácia das medidas do governo para mitigar [a doença], como o rastreamento de contato” dos infectados, informa o documento.

“Agora vocês podem andar, sentar e descansar nos parques, praticar esportes e se exercitar, e podem fazer tudo isso com membros de sua família ou outra pessoa, desde que observem o distanciamento social e permaneçam a dois metros de distância”, disse Johnson nesta segunda-feira. “Espero que agora esteja claro”, afirmou ele.

O premiê declarou também que aumentou as multas para as pessoas que descumprirem as regras do lockdown. Agora elas vão de cerca de US$ 123 a mais de US$ 4,4 mil.

Johnson acrescentou que o governo está investigando com especialistas a respeito de quando as pessoas de diferentes lares poderão se reunir em outros ambientes fechados, e indicou que isso pode começar no dia 1º de junho.

Já com relação aos eventos esportivos, como jogos de futebol, o premiê afirmou que eles podem voltar na mesma data, porém com os estádios ainda vazios.