Pedaço gigante de foguete chinês cai na Terra após uma semana de lançamento

Um dos maiores pedaços de detritos espaciais descontrolados já registrados caiu próximo à África Ocidental

Allen Kim, Da CNN
13 de maio de 2020 às 10:45
Um enorme pedaço de detrito espacial caiu descontroladamente e pousou na Terra no dia 11 de maio, passando diretamente sobre Los Angeles e no Central Park, em Nova York, e aterrissando no Oceano Atlântico.
Foto: STR/AFP/AFP via Getty Images

Enormes pedaços de detrito espacial cruzaram o céu nessa segunda-feira, aterrissando no Oceano Atlântico após a queda de um foguete chinês.
  
Em 5 de maio [deste ano], a China lançou o foguete Long March-5B, com uma espaçonave não tripulada em órbita, do Centro de Lançamento Espacial Wenchang, na província de Hainan, no sul do país.
 
Pesando quase 18 toneladas, o core stage [espinha dorsal] do foguete é o maior pedaço de detrito espaciai que já caiu sobre a Terra desde 1991. É também o quarto maior de todos os tempos.
 
As únicas peças maiores foram o Skylab, em 1979, o estágio de foguete do Skylab, em 1975, e o Salyut 7, em 1991. O ônibus espacial Columbia de 2003 pode ser adicionado a essa lista desde que teve uma descida descontrolada de volta à Terra.

Leia também:

Após meses no espaço, astronautas voltam em planeta transformado por COVID-19

NASA trabalha com Tom Cruise para gravar um filme no espaço sideral

"Para um objeto grande como esse, peças densas como partes dos motores de foguetes podem sobreviver à reentrada e colidir com a Terra", disse à CNN Jonathan McDowell, astrônomo do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian. "Uma vez que atingem a atmosfera mais baixa, os foguetes viajam relativamente mais devagar, então, no pior dos casos, eles podem atingir apenas uma casa".
 
McDowell observa que seria um dano localizado e não algo generalizado, como se uma peça caísse de um avião e atingisse algo no chão.
 
É difícil prever o rastreamento de itens que viajam rapidamente pela atmosfera. O SpaceTrack, empresa que rastreia objetos como satélites em nossa órbita, só conseguiu restringir áreas potenciais de pouso na Austrália, EUA e África.
 
"O problema é que ele está viajando muito rápido horizontalmente através da atmosfera, e é difícil prever quando finalmente cairá", disse McDowell.
 
"A previsão final da Força Aérea norte-americana foi de mais ou menos meia hora, período em que percorreu 3/4 do mundo. É bem difícil fazer um cálculo melhor."
 
O Departamento de Defesa dos Estados Unidos confirmou a reentrada do foguete em 1534 UTC, coordenada que fica no Oceano Atlântico, na costa da África Ocidental.