Talibã e presidente afegão declaram cessar-fogo para celebração do fim do Ramadã

A trégua acontece quando as lutas entre os dois lados se intensificaram, apesar da pandemia do novo coronavírus

Reuters
24 de maio de 2020 às 08:45
O grupo islâmico Talibã e o presidente do Afeganistão declaram três dias de cessar fogo em virtude das comemorações do Eid al-Fitr, em 24 de maio de 2020.
Foto: Reuters - 24.mai.2020

O Talibã declarou um cessar-fogo de três dias durante o Eid al-Fitr, celebração que marca o fim do jejum do Ramadã, no Afeganistão, a partir deste domingo (24). A decisão foi divulgada no Twitter do grupo islâmico no sábado (23), e o presidente do país disse que tomaria atitude recíproca.

A trégua acontece quando as lutas entre os dois lados se intensificaram, apesar da pandemia do novo coronavírus.

"Não realize operações ofensivas contra o inimigo em nenhum lugar; se alguma ação for tomada contra você, defenda-se", escreveu o porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid. Ele acrescentou que o cessar-fogo foi declarado apenas para as festividades do Eid.

Leia também:

Protesto contra imposição de leis pela China em Hong Kong é dispersado com gás
Museus do Vaticano vão reabrir a partir de 1º de junho
Embaixada da Colômbia nega voo para repatriar 180 acampados em Guarulhos

O presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, saudou o anúncio de cessar-fogo do Talibã e retribuiu a oferta de paz. "Como comandante em chefe, instruí as ANDSF (Forças de Defesa e Segurança Nacional Afegãs) a cumprir a trégua de três dias e a se defender apenas se for atacado", declarou no Twitter.

No mês passado, o Talibã rejeitou um pedido do governo de cessar-fogo no Afeganistão para o Ramadã, dizendo que uma trégua "não era racional", uma vez que eles intensificaram os ataques às forças afegãs.

Segundo o porta-voz do principal escritório de inteligência e segurança do Afeganistação, Javid Faisal, pelo menos 146 civis foram mortos e 430 foram feridos pelo Talibã durante o Ramadã.