'Grande dano à imagem do Brasil', diz Doria sobre restrição de viagens aos EUA

'A suspensão de voos afeta diretamente também o turismo. Até mesmo as relações diplomáticas serão afetadas com essa decisão', afirmou o governador João Doria

Da CNN, em São Paulo
26 de maio de 2020 às 12:08 | Atualizado 26 de maio de 2020 às 12:23
Governador de São Paulo, João Doria, em entrevista para a CNN em 21 de maio. 
Foto: CNN Brasil

Em entrevista concedida à CNN Internacional nesta terça-feira (26), o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que as restrições de viagens implementadas pelos Estados Unidos aos brasileiros afeta diretamente as relações diplomáticas entre os dois países. 

"É um grande dano à imagem do Brasil e à relação econômica que temos com os Estados Unidos", declarou o governador. "A suspensão de voos afeta diretamente também o turismo. Em minha opinião pessoal, até mesmo as relações diplomáticas serão afetadas com essa decisão de [presidente dos EUA Donald] Trump".
 
Questionado sobre a declaração do prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, que afirmou que o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), era corresponsável pelas mortes no Brasil, Doria disse que concorda parcialmente.

"Ele é contra o isolamento, contra a orientação dos cientistas e da medicina. Ele vai para as ruas sem máscaras, faz aglomerações em Brasília", disse. No último domingo (24), o presidente esteve presente uma manifestação organizada por apoiadores do governo.

Assista e leia também:

Decisão de Trump não impacta atividade comercial com o Brasil, diz CEO da Amcham
Bolsonaro diz acreditar em arquivamento de inquérito sobre interferência na PF
SP deve endurecer quarentena na capital e na Baixada Santista

"Isso é muito triste ao Brasil e faz tudo mais difícil para os governadores. Nós temos 27 estado no Brasil, todos os governadores estão fazendo um trabalho correto. [Estamos] estimulando o isolamento e o uso de máscaras", lamentou. 

Para o governador, o diálogo entre os governos federal e estadual tem sido prejudicado. "Quando sugerimos às pessoas que fiquem em casa, usem máscaras, não usem cloroquina como a solução para o coronavírus, o presidente manda a mensagem oposta à população".

Apesar do estado de São Paulo ter tido uma campanha de incentivo ao distanciamento social, a taxa de isolamento está abaixo dos 60%, índice recomendado pelos órgãos de saúde.

Questionado se as medidas de isolamento afetariam a economia, Doria disse que não se trata apenas de um problema econômico. "Isso não é um argumento real. Nosso grande combate não é contra a economia, é contra o coronavírus. [É um problema] de saúde que atinge países no mundo inteiro", declarou.