Discursos contra racismo e violência policial marcam funeral de George Floyd

Prefeito de Houston, onde George Floyd cresceu, anunciou ordem para banir estrangulamento do protocolo policial na cidade

Pietra Carvalho, da CNN, em São Paulo
09 de junho de 2020 às 17:08
Painel homenageia George Floyd em Minneapolis, no estado americano de Minnesota
Painel homenageia George Floyd em Minneapolis, no estado americano de Minnesota
Foto: Nicholas Pfosi/Reuters (4.jun.2020)

Marcado por pedidos de justiça e críticas ao racismo e à violência policial, o funeral de George Floyd em Houston (EUA), nesta terça-feira (9), teve manifestações de autoridades como o ex-vice-presidente Joe Biden, candidato presidencial do Partido Democrata nas eleições de novembro. A cerimônia foi custeada pelo ex-boxeador Floyd Mayweather. 

Houston é a cidade onde cresceu Floyd, um homem negro de 46 anos que foi asfixiado e morto por um policial branco em Minneapolis (EUA). Sua morte levou a dias de protestos contra o racismo e a violência policial em dezenas de cidades dentro e fora dos EUA.

Leia também:

Juíza define fiança de R$ 6 milhões para policial acusado de matar George Floyd

Em funeral de Floyd, Biden diz enxergar caminho para "justiça racial" nos EUA

CNN Mundo: morte de George Floyd reacende luta antirracista

Em vídeo enviado para a cerimônia desta terça, Biden afirmou que o país não pode "virar as costas novamente para o racismo que agulha nossas almas." Segundo o democrata, a justiça por Floyd será o início do caminho para a justiça social nos Estados Unidos. 

O deputado democrata Al Green afirmou que o "crime" de Floyd foi ter nascido negro. Ele convocou o governo americano a criar um departamento de reconciliação.

"Nós sobrevivemos à segregação, mas não nos reconciliamos", afirmou o congressista.

'Chega de crimes de ódio' 

Brooke Williams, sobrinha de George Floyd, pediu justiça para seu tio.  

“Aquele policial não mostrou nenhum remorso enquanto via a alma do meu tio deixar seu corpo. Ele suplicou e implorou muitas vezes apenas para se levantar, mas você apenas forçou mais. Porque o sistema tem que ser corrupto e falido?", perguntou a jovem.  

“Chega de crimes de ódio, por favor”, pediu Williams. “Alguém disse ‘Faça a América Grande de Novo’, mas quando a América foi grande?”, questionou, ironizando o bordão de campanha do atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

A reverenda Mary White relembrou os pedidos de Floyd por sua mãe no vídeo que mostra o policial Derek Chauvin ajoelhado em seu pescoço por oito minutos.

“No momento em que ele pediu por sua mãe, nós acreditamos que os ouvidos de mães por toda a nação ergueram-se”, disse White. 

O corpo de Floyd será enterrado hoje, ao lado do túmulo de sua mãe.

Mudanças 

Durante sua homenagem na cerimônia, o prefeito de Houston, Sylvester Turner, afirmou que pretende assinar o mais rápido possível um decreto para "banir chaves de braço e estrangulamentos" do protocolo de ação policial na cidade. 

“Nesta cidade, você deve esgotar todas as alternativas antes de atirar", disse Turner. 

O prefeito expressou sua gratidão pelos movimentos que estão “buscando justiça” mas pediu para que os manifestantes, ativamente nas ruas há duas semanas, façam atos pacíficos. 

Turner decretou ainda que 9 de junho será o “Dia George Perry Floyd” na cidade de Houston. 

“Nós o homenageamos não porque ele era perfeito, nós o homenageamos hoje porque quando ele deu seu último suspiro, o resto de nós pode finalmente respirar”, declarou. 

(Com informações da CNN Internacional