Presidente argentino ficará em isolamento após alta de Covid-19 em Buenos Aires

Alberto Fernández anunciou que restringirá ao máximo o contato com outras pessoas e conduzirá seu trabalho da residência oficial

Anna Satie, da CNN, em São Paulo
17 de junho de 2020 às 16:05
O presidente da Argentina, Alberto Fernández
Foto: Esteban Collazo/Presidência da Argentina (15.mai.2020)

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, anunciou nesta quarta-feira (17) que conduzirá seu trabalho a partir da residência oficial, a Quinta de Olivos, restringindo ao máximo o contato com outras pessoas para diminuir a chance de contágio pela Covid-19.

"Observando a progressão no número de casos positivos registrados na área metropolitana de Buenos Aires, que evidenciam um aumento significativo da circulação do vírus, é minha responsabilidade recomendar ao presidente da nação que continue a desempenhar suas tarefas habituais de casa", disse o diretor da Unidade Médica Presidencial, Federico Saavedra, em nota.

Leia também:

Quais as principais diferenças entre Brasil e Argentina durante a pandemia

Com 61 anos, Fernández é parte do grupo de risco da doença causada pelo novo coronavírus.

O número de novos diagnósticos de Covid-19 na cidade ficava na casa dos 300 até o começo deste mês. Nesta terça (16), a Prefeitura confirmou 687 casos, entre moradores e visitantes. Ao todo, Buenos Aires registrou 19.611 episódios e 396 mortes pela doença. 

No começo deste mês, o isolamento social obrigatório na capital foi postergado até 28 de junho.

De acordo com dados da universidade americana John Hopkins, a Argentina tem 34.159 casos e 886 vítimas fatais do novo coronavírus.