Para negros de Tulsa, visita de Trump evoca legado doloroso do massacre de 1921

Comício ocorrerá um dia após o Juneteenth, data em que general foi para o Texas em 1865 e anunciou que a Proclamação de Emancipação havia libertado escravos

Ernest Scheyder, da Reuters
19 de junho de 2020 às 23:34
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump
Foto: Jonathan Ernst/Reuters (14.jun.2020)

Treze frascos cheios de cinzas, sujeira e restos de ossos no porão da Igreja Episcopal Metodista Africana Vernon, na cidade norte-americana de Tulsa, homenageiam vítimas de um massacre de quase um século que ainda assombra os negros da segunda maior cidade de Oklahoma.

Não há sepulturas para Eliza Talbot, Ed Adams ou outras 11 pessoas. Seus corpos foram perdidos, juntamente com centenas, quando uma multidão branca matou e os queimou no bairro de Greenwood da cidade de Tulsa em 1921, na época uma das maiores e mais prósperas comunidades negras dos Estados Unidos.

Para consternação dos líderes e moradores da comunidade, e apenas algumas semanas após a vigília de 31 de maio para marcar o 99º aniversário do massacre, o presidente Donald Trump planeja sua primeira manifestação de campanha desde março a poucos quarteirões de distância de Greenwood no sábado.

O comício ocorrerá um dia após o Juneteenth, que celebra quando um general da União foi para o Texas em 1865 e anunciou que a Proclamação de Emancipação havia libertado as pessoas escravizadas, mais de dois anos após ter sido emitida em 1863.

Assista e leia também:

Protestos marcam celebração do dia do fim da escravidão nos EUA

CNN Mundo: Estados Unidos debatem reforma no sistema policial

Aos 22, ativista Malala Yousafzai se forma em Oxford: 'Alegria e gratidão'

"A presença de Trump lançará uma enorme sombra sobre esses eventos", disse o Rev. Robert Turner, da igreja Vernon A.M.E., que foi reconstruída após ser incendiada durante o ataque de 1921.

"O presidente é apoiado por racistas, por neo-confederados. Receio que esse comício atraia todas essas pessoas para nossa cidade."

Trump, que disse que seus apoiadores "amam os negros", mudou a manifestação para 20 de junho a partir de sua data original de Juneteenth. Ele afirmou no Twitter que a mudança era "por respeito a ... esta importante ocasião e tudo o que ela representa".