Feira anual de carne de cachorro é aberta na China e desagrada ativistas

Governo chinês está na elaboração de leis para impedir o comércio de carne de animais de estimação

Por David Stanway, Reuters
22 de junho de 2020 às 18:46 | Atualizado 22 de junho de 2020 às 18:57
Filhotes de cachorro em gaiola em mercado de Yulin (22/06/2020)
Foto: Humane Society International/Divulgação via Reuters

O notório festival chinês de carne de cachorro foi aberto nesta segunda-feira (22) em desafio a uma campanha do governo para ampliar o bem-estar animal e reduzir os riscos à saúde destacados pelo surto do novo coronavírus, mas ativistas esperam que os dias do evento estejam contados.

A feira anual de 10 dias na cidade de Yulin, no sudoeste do país, costuma atrair milhares de visitantes, muitos dos quais compram cães exibidos em gaiolas apertadas. Ativistas disseram que os números deste ano diminuíram.

O governo está elaborando novas leis para proibir o comércio de animais selvagens e proteger animais de estimação, e os ativistas esperam que este ano seja a última vez que o festival será realizado.

Leia também:

Concerto para plantas ressalta absurdo da condição humana na era do coronavírus

Mesmo com reformas na saúde, China não evitará o próximo vírus

"Espero que Yulin mude não apenas pelo bem dos animais, mas também pela saúde e segurança de seu povo", disse Peter Li, especialista em políticas da China na Humane Society International, um grupo de direitos dos animais.

"Permitir que grandes grupos comercializem e consumam carne de cachorro em mercados e restaurantes lotados em nome de um festival representa um risco significativo à saúde pública", declarou ele.

O coronavírus, que se acredita ter se originado em morcegos-ferradura antes de chegar a humanos em um mercado na cidade de Wuhan, forçou a China a reavaliar sua relação com os animais, e o país prometeu proibir o comércio de animais selvagens.

Em abril, Shenzhen se tornou a primeira cidade da China a proibir o consumo de cães, e outras devem seguir a medida.