Buenos Aires endurece quarentena e terá isolamento restrito até 17 de julho

Nos últimos 20 dias, casos aumentaram 147%, segundo presidente Alberto Fernández

Anna Satie, da CNN
26 de junho de 2020 às 17:41
Funcionários com roupas de proteção sanitizam metrô de Buenos Aires
Foto: Divulgação/Ciudad de Buenos Aires (26.jun.2020)

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, anunciou nesta sexta-feira (26) um endurecimento da quarentena na região metropolitana de Buenos Aires. A capital ficará em isolamento restrito entre 1º e 17 de julho para conter o avanço da Covid-19. 

Entre as novas medidas, está a limitação do uso do transporte público somente a trabalhadores essenciais. Para circularem, será necessária uma autorização emitida pela Prefeitura. 

"Vamos voltar a usar as forças de segurança para controlar o tráfego de automóveis e de pessoas, para que só circulem os que cumprem atividades essenciais", disse o presidente, que está em isolamento na residência oficial desde o dia 17 deste mês.

Ele informou que 97% dos novos casos detectados estão na capital. Nos últimos 20 dias, houve um aumento de 147% nos casos e 95% nas mortes pela doença causada pelo novo coronavírus na região.

Leia também:

Quais as principais diferenças entre Brasil e Argentina durante a pandemia

Portugal volta a implementar medidas de lockdown em Lisboa

"Temos que fazer algo para parar o ritmo de contágio, para aliviar as camas ocupadas e seguir garantindo que todos os argentinos tenham a atenção que merecem", afirmou. 

Ele declarou que, fora da capital, 80% da atividade econômica está ativa e 95% do comércio está em funcionamento. 

O mandatário também disse que, caso o vírus tivesse a mesma taxa de crescimento que no Brasil, o país teria 10 mil mortos. Até o momento, a Argentina registra 52.457 casos e 1.167 vítimas da Covid-19.