Atendente da Starbucks ganha US$ 80 mil após deixar de servir pessoa sem máscara


Alaa Elassar, da CNN
29 de junho de 2020 às 11:42
Lenin Gutierrez agradeceu o apoio de todos

Lenin Gutierrez agradeceu o apoio de todos após publicação de cliente no Facebook

Foto: Lenin Gutierrez

Um atendente da Starbucks que foi publicamente humilhado por uma cliente após pedir que ela usasse uma máscara recebeu quase US$ 80 mil em gorjetas virtuais depois que uma publicação no Facebook que o criticava viralizou.

Lenin Gutierrez, de 24 anos, trabalhava em seu turno regular em uma unidade da rede de cafeterias em San Diego em uma manhã de segunda-feira, quando uma mulher entrou - sem usar máscara - e tentou fazer um pedido, contou ele à CNN.

Gutierrez perguntou a ela se tinha uma máscara, mas antes mesmo que ele pudesse avisá-la sobre as regras da empresa - que exige aos consumidores o uso da peça -, a cliente começou a gritar e xingá-lo, segundo ele.

Assista e leia também:

Starbucks recua e permite que funcionários usem roupas do Black Lives Matter

Starbucks recupera parte das vendas nos Estados Unidos com reabertura de lojas

Depois, a consumidora em questão, Amber Lynn Gilles, tirou uma foto do funcionário. “Conheçam Lenen da Starbucks, que se recusou a me atender porque eu não estava usando uma máscara. Da próxima vez, vou esperar os policiais e trazer uma isenção médica”, escreveu ela no Facebook, com a foto de Gutierrez usando máscara e olhando para a câmera. Gilles não respondeu ao pedido da CNN por comentários.

Em vez de causar mais repercussão negativa para Gutierrez, a publicação da cliente levou a uma série de manifestações de apoio ao atendente. “Quando eu percebi quem era, só pensei ‘puxa, ela realmente acabou comigo no Facebook’”, disse ele. “Comecei a ler os comentários e apenas dei risada com os memes que as pessoas criaram sobre o caso.”

Mudança de vida

Muitas pessoas manifestaram apoio a Gutierrez nos comentários da publicação de Gilles, com algumas dizendo que gostariam de visitar a unidade de San Diego para dar a ele uma gorjeta especial. Entre elas, estava Matt Cowan.

O homem de 26 anos, que não conhece Gutierrez pessoalmente, afirmou que ficou triste em ver como o atendente “foi intimidado por fazer a coisa certa”. Então, ele decidiu começar uma campanha no GoFundMe para dar a quem quiser a oportunidade de ajudar o atendente de forma virtual.

“As pessoas não estão pedindo muito, estão apenas pedindo para usar uma máscara para a sua própria segurança e a segurança dos outros”, disse Cowan à CNN. “A Starbucks também estabeleceu outras formas de conseguir café se você não estiver confortável em usar uma máscara.”

O objetivo inicial da campanha era atingir US$ 1 mil, mas em menos de uma semana, milhares de pessoas doaram, levando a um total de aproximadamente US$ 80 mil.

“Fiquei emocionado em ver Matt criar uma campanha para mim, mesmo que a gente não se conheça”, afirmou Gutierrez. “Fiquei perplexo e honrado de receber tanto apoio e amor quando estava em US$ 1 mil. O fato de que agora já está em mais de US$ 65 mil, não sei como expressar o quão agradecido e abençoado me sinto com essa oportunidade que todos me deram.”

Gutierrez disse que planeja usar parte do dinheiro da GoFundMe para correr em busca de seu sonho de se tornar dançarino. Ele também quer doar parte do que ganhou para organizações da comunidade de San Diego.

Debate sobre o uso de máscaras

Os casos de Covid-19 continuam aumentando nos Estados Unidos, assim como o debate sobre o uso obrigatório de máscaras em locais públicos.

O Departamento de Saúde Pública da Califórnia registrou, em apenas um dia, um aumento de 5.972 casos positivos da doença, com 60 mortes de sexta (26) para sábado (27), de acordo com um comunicado do órgão.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA recomenda que todos “devem usar uma proteção no rosto quando tiverem que sair em público”, para reduzir a disseminação do novo coronavírus, que é altamente contagioso.

Um estudo lançado no começo de junho mostrou que a doença se espalha principalmente por vias aéreas, e usar uma máscara é a forma mais eficaz de conter a transmissão. Mas algumas pessoas argumentam que o ato de usar a peça é político e sua utilização infringe as liberdades civis.

Segundo a Starbucks, muitas unidades - dependendo das regras locais - permitem aos consumidores que não estiverem usando máscara a fazer o pedido por drive-thru ou pedir pelo celular e retirá-lo na porta da loja. Também é possível pedir por delivery.

“Queremos que todos se sintam bem-vindos em nossas lojas”, disse um porta-voz da Starbucks em um comunicado. “Solicitamos respeitosamente que os clientes sigam os protocolos de distanciamento social e segurança recomendados por órgãos de saúde pública, incluindo o uso de proteção facial, quando visitar uma de nossas lojas.”

(Texto traduzido, clique aqui e leia o original em inglês.)