Argentina diz que não aceitará nova proposta de credores

Os dois lados correm para chegar a um acordo antes do prazo de 4 de agosto, procurando evitar um impasse legal prolongado

Adam Jourdan, da Reuters
20 de julho de 2020 às 21:52
O presidente da Argentina, Alberto Fernández
Foto: Esteban Collazo/Presidência da Argentina (15.mai.2020)

O governo do presidente da Argentina, Alberto Fernández, disse nesta segunda-feira (20) que não pode aceitar uma contraproposta conjunta dos três principais grupos de credores do país para reestruturar cerca de US$ 65 bilhões (R$ 346 bilhões) de dívida externa, dizendo que o acordo só traria mais sofrimento para os argentinos.

Os dois lados correm para chegar a um acordo antes do prazo de 4 de agosto, procurando evitar um impasse legal e prolongado depois que a Argentina, atingida pela recessão, entrou em default em maio.

Assista e leia também:

Argentina vai flexibilizar isolamento em Buenos Aires após meses de lockdown

Nuvem de gafanhotos permanece na Argentina e se desloca em baixa velocidade

"Aceitar o que alguns credores pedem significaria sujeitar a sociedade argentina a mais angústia", disse o ministro da Economia, Martín Guzmán, em comunicado em resposta à oferta dos credores nesta segunda-feira (20). "Isso implicaria, por exemplo, o ajuste de aposentadorias, e não o faremos."